Jaqueline Mourão: história de gravidez em sintonia com o esporte

Espera pelo filho Ian não prejudicou os planos da esquiadora e mountain biker

, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2010 | 00h00

Não é de hoje que atletas tentam conciliar esporte com maternidade, mas a mountain biker e esquiadora Jaqueline Mourão leva o conceito ao extremo. Treinou para o Campeonato Mundial de Esqui Cross Country durante toda a gravidez e atualmente, quase um mês depois do nascimento de Ian, continua o trabalho no Canadá, onde mora. A competição, considerada a maratona do esqui, está marcada para março, na Noruega.

A presença de Ian nos treinos foi planejada. "Tenho todos os equipamentos para fazer esporte com ele (trenó no esqui, carrinho para corrida a pé e carrinho que conecta na bike)." O material já tem sido utilizado e Ian acompanha a mamãe até nos treinos de tiro para outra modalidade dos Jogos de Inverno, o biatlo.

Jaqueline conta que engravidou mais rápido do que pensava. "Nós (ela e seu marido, Guido) havíamos decidido que depois das Olimpíada de Vancouver tentaríamos, mas não esperava ficar grávida no primeiro mês."

A surpresa causou preocupação. "Gostaria de saber se meu bebê estava bem o quanto antes, pois ainda estava em treinos de alta intensidade. Depois do primeiro ultrassom (fiz na 9.ª semana, assim que cheguei de viagem ao Brasil), ficamos mais tranquilos e começamos a nos informar mais sobre esporte e gravidez."

A esquiadora conta que, antes de voltar a treinar, procurou ajuda de médicos no Brasil e no Canadá. "Existem vários artigos que comprovam que, em gravidez que não seja de risco, ficar ativa só traz benefícios tanto para a mãe quanto para o bebê", explica. Reunir conselhos de colegas que passaram pela mesma situação foi outra estratégia.

A brasileira revela que a atividade física foi cercada de alguns cuidados. Certas atividades foram reduzidas e outras cortadas, como a corrida a pé, para não sobrecarregar a coluna. "Continuei os treinamentos aeróbios tanto no rollerski, na caminhada nórdica (uma modalidade de esqui) e principalmente na bike. Treinava diariamente com o meu cardiofrequencímetro e não deixava a frequência cardíaca passar de 60% da capacidade máxima nos primeiros três meses e então 70% nos meses consecutivos. No meu caso preferi utilizar a minha moutain bike com suspensão dianteira e traseira e um guidom mais alto."

A alimentação foi detalhe importante no processo. "Sempre que saía para treinar punha carboidrato em pó na minha garrafinha e também levava barrinhas no bolso. E ainda muita hidratação durante todo o dia", revela. "Minha médica monitorava meu peso todos os meses." O pai de Ian apoiou. "O Guido é só alegria. Ele treina comigo todos os dias e está feliz que eu consegui me exercitar durante a gravidez. Isso nos ajudou mentalmente, pois somos um casal que adora atividade física."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.