Jejum em clássicos abala o São Paulo

Jejum em clássicos abala o São Paulo

Diretoria tenta amenizar derrotas para os outros grandes, mas reveses[br]podem complicar a vida de Ricardo Gomes

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

30 de março de 2010 | 00h00

O São Paulo perdeu os quatro clássicos que disputou na temporada ? 3 a 1 para a Portuguesa, 2 a 0 para o Palmeiras, 2 a 1 para o Santos e 4 a 3 para o Corinthians. Situação que nenhum jogador ousaria dizer que não incomoda. Sentimento que Dagoberto expressou ainda no Pacaembu, domingo, ao dizer que o tricolor não podia "jogar todos os clássicos como time pequeno"".

A direção tenta colocar panos quentes nas dificuldades. "É claro que ninguém gosta de perder clássicos, mas o importante é se classificar às próximas fases do Paulista e da Libertadores", minimiza o superintendente de futebol Marco Aurélio Cunha. "Vitórias em clássico nesta primeira fase valem os mesmos três pontos de vitórias sobre os outros adversários. Os clássicos só serão decisivos nas semifinais do Paulista ou mesmo na Libertadores, caso enfrentemos o Corinthians."

Apesar do discurso oficial, a falta de vitórias ? e, pior que isso, as seguidas derrotas em clássicos ? não passa em branco. Quem começa a sofrer pressão por causa dos sucessivos reveses nas partidas mais importantes é o técnico Ricardo Gomes.

No ano passado, Gomes não perdeu nenhum clássico ?bateu duas vezes o Santos (2 a 1 e 4 a 3) e empatou com Corinthians (1 a 1) e Palmeiras (0 a 0). Agora começará a balançar no cargo caso, além do jejum contra os principais rivais, também deixe escapar uma vaga às oitavas de final da Libertadores.

Uma derrota para o Monterrey, amanhã, pode ser crucial. O time fatalmente cairia para a segunda colocação no Grupo 2 e ficaria três semanas sob pressão no Paulista antes do duelo decisivo com o Once Caldas, no Morumbi, dia 21. "Nosso time é experiente. O que acontece em um torneio não refletirá no outro", garantiu o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.