AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Jogadoras pedem para Renê continuar

Assim que recebeu a medalha de prata, Renê Simões viu as meninas - todas do grupo, sem exceção - se ajoelharem e o homenagearem com um gesto de ovação, abaixando as mãos até o chão. O treinador da seleção brasileira feminina de futebol não se segurou e chorou. "Foi bom demais trabalhar com essas batalhadoras", admitiu. As atletas vêm pedindo a ele que não abandone a seleção feminina e continue o trabalho visando à Olimpíada de Pequim, em 2008. "O Renê mereceu nossa homenagem, ele foi como um pai para a gente", afirmou a meia Formiga. O técnico, de 51 anos, iniciou o trabalho em março, quando o elenco estava desfeito, ainda cheio de problemas, depois da briga com Paulo Gonçalves, o antecessor. E tornou-se amigo das garotas. Renê deu a entender, no entanto, que dificilmente seguirá no futebol feminino, por causa do baixo salário que recebe da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). "Tinha um projeto nesses seis meses de trabalho e o sonho de participar de uma Olimpíada e gostaria de continuar com o grupo. Só que tenho três filhas e contas a pagar", explicou. O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, garantiu que a intenção é mantê-lo no cargo. Para isso, contudo, terá de propor um contrato bem mais alto. O dirigente comentou que gastou cerca de R$ 2,5 milhões com a seleção feminina durante a preparação para a Olimpíada. E voltou a falar na possibilidade de criar um Liga, com apoio de patrocinadores. O presidente da Fifa, Joseph Blatter, fez grandes elogios às meninas do Brasil e se disse especialmente encantado com a atacante Marta. "O Brasil foi uma revelação nessa Olimpíada", afirmou o dirigente, que, no entanto, contou ter ficado satisfeito com o título americano pela tradição dos Estados Unidos na modalidade. Festa no Morumbi - Apesar da derrota, as jogadoras do Brasil acreditam ter cumprido a missão. "Poderíamos ter vencido o jogo numa daquelas duas bolas que chutamos na trave, mas não deu", lamentou a atacante Cristiane, artilheira da equipe na competição, com 5 gols. "Espero que essa prata seja encarada como um ouro no Brasil." Pela prata, as meninas ganharão um prêmio em dinheiro da CBF. Na sexta-feira da próxima semana, participarão, em São Paulo, de um jantar com os atletas da seleção masculina. E, no domingo, dia 5, vão ser homenageadas, no Morumbi, antes do jogo entre Brasil e Bolívia, pelas Eliminatórias da Copa.

Agencia Estado,

26 Agosto 2004 | 21h21

Mais conteúdo sobre:
olimpíada 2004 olimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.