João Neto / Fotojump
João Neto / Fotojump

Jogo de rúgbi deve superar os 25 mil torcedores para Brasil x All Blacks Maori

Partida terá recorde de público do esporte no Brasil; capitão neozelandês espera 'grande exibição' dos visitantes

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2018 | 13h34

Os ingressos para a partida inédita entre Brasil e All Blacks Maori, no rúgbi, que será disputada no sábado, às 19 horas, no estádio do Morumbi, ainda estão sendo vendidos, mas a expectativa é que o público seja recorde para uma disputa da modalidade no País. Até por isso, a Confederação Brasileira de Rugby (CBRu) espera que o duelo ajude a divulgar ainda mais o esporte em solo nacional.

"A gente espera que seja uma ferramenta de disseminação. Teremos mais de 25 mil pessoas no estádio, com transmissão na SporTV e Twitter. Então esperamos impactar milhares de pessoas. É através de grandes eventos que se conquistará o coração dos torcedores. O brasileiro adora esporte", diz Agustín Danza, CEO da CBRu.

Na última parcial de vendas de ingressos, 19.213 bilhetes haviam sido vendidos. Contando as cortesias, o público atingiu a marca de 23.123 torcedores. Os números são das 13 horas desta terça-feira. Além disso, qualquer criança menor de 12 anos é isenta de pagar entrada. Por isso a expectativa de público supera os 25 mil torcedores.

Vale lembrar que o recorde de público de uma partida de rúgbi no Brasil é 10.480 pessoas, no Pacaembu, quando o Brasil enfrentou a Alemanha em um amistoso internacional, em novembro de 2015. Na ocasião a partida foi um marco da modalidade, até por ser a primeira que usou um palco consagrado do futebol.

"Para o Brasil é incrível receber esse time. Sabemos o valor dele. Nosso trabalho permitiu receber esse tipo de adversário, é uma honra. É um evento muito importante, mais do que o jogo em si, porque é a primeira vez que acontece. Será uma partida que vou me lembrar para o resto da vida", afirma Felipe Sancery, capitão dos Tupis.

Do outro lado, os representantes do All Blacks Maori se mostraram empolgados com possibilidade de enfrentar o Brasil. "Eu nunca imaginei estar aqui. O rúgbi está crescendo no mundo inteiro e vejo como uma grande oportunidade para os dois países. Conheço pouco o rúgbi brasileiro comparado ao que se conhece do futebol. Jogos como esse podem ajudar na exposição do esporte", garante Clayton McMillan, técnico dos All Blacks Maori.

Para o capitão Ash Dixon, a torcida pode esperar uma grande exibição, que inclui o famoso Haka antes de a partida começar. "O Haka ajuda a alcançar uma alta inspiração. É muito significante para nosso time, é realmente especial e também é a forma que mostramos respeito ao nosso adversário, como um desafio", avisa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.