Jogos 2012: Paris larga na frente

Os informes técnicos sobre as cinco cidades aspirantes a organizar os Jogos Olímpicos de 2012 serão o mais importante na eleição do Comitê Olímpico Internacional, em Cingapura, garantiu o presidente da entidade Jacques Rogge. Mas Paris é apontada como a grande favorita, seguida por Londres. As cidades escalaram autoridades para defender os seus argumentos. Paris terá o presidente Jacques Chirac e o astro da NBA campeão com o San Antonio Spurs, Tony Parker. Londres levou o primeiro-ministro Tony Blair e o jogador de futebol David Beckhan. Chirac e Blair seguem direto de Cingapura para a Escócia, nesta quarta-feira, logo após a escolha, para a reunião do G8.Paris e Londres lideram em todas as casas de apostas inglesas e receberam a qualificação de ?alta qualidade? da comissão de avaliação do COI. Partem como favoritos, seguidos de perto por Madri. Nova York e Moscou parecem estar fora da luta. De toda forma, Cingapura será tomada por políticos, membros da nobreza européia e estrelas do esporte na briga por candidaturas milionárias. ?As considerações geopolíticas levadas em conta há quatro anos na escolha de Pequim não são aplicáveis agora. A qualidade dos informes técnicos prevalecerá?, afirma Rogge.O Comitê Executivo do COI tem 116 mebros ? o presidente Jacques Rogge não vota. A sessão de escolha começará às 19h30 (de Brasília) desta terça. Os membros vão votando, secretamente, até que uma cidade obtenha a maioria. A candidata com o menor número de votos em cada rodada é eliminada. Os membros do COI que tenham uma candidatura de seus países de origem não podem votar até que a cidade se mantenha na competição ? na primeira rodada 100 estão habilitados a votar. Cada candidata fará uma apresentação de 45 minutos, adotando a seguinte ordem: Paris, Nova Tork, Moscou, Londres e Madri. O anúncio será entre 8h30 e 9 horas (horário de Brasília) de quarta-feira.A batalha entre Paris e Londres teve nesta segunda-feira, em Cingapura, lances de hostilidade quando membros da delegação londrina insinuaram que o Stade de France, que seria o estádio olímpico para as provas de atletismo, está obsoleto. O prefeito de Paris, Bertrand Dalanoe, respondeu com ironia. ?o Stade de France tem o mérito de existir?, em alusão a candidatura britânica que ainda não tem um estádio. ?Pelo menos temos um estádio. Temos 20 anos de vantagem e isso molesta outras candidaturas?, acrescentou o ministro de Esportes, Jean-François Lamour.O primeiro-ministro Tony Blair chegou domingo a Cingapura e se lançou numa campanha de busca de votos entre os delegados do COI. ?A base da candidatura é sua força. Só posso deixar claro que conta com total apoio político?, disse Blair. O presidente francês Jacques Chirac só vai atuar na apresentação da candidatura, nesta terça e quarta. ?Pensamos que esta terceria candidatura (1992 e 2008) Paris e a França estão preparadas e em harmonia completa com o que pode ser o olimpismo do século XXI?, disse o prefeito de Paris Dalanoe.A candidatura de Madri tem a influência do rei Juan Carlos e do ex-presidente do COI Juan Antonio Samaranch. A rainha Sofia lidera a delegação em Cingapura e o presidente Luiz Rodrigues Zapatero também está na Ásia. O jornal El País disse que Madri baseará sua ofensiva em ter os votos dos que apoiam a candidatura francesa ou inglesa caso uma das duas caia na terceira rodada. ?Madri tem o projeto mais criativoe respeitoso do meio ambiente?, disse Zapatero. O jogador espanhol Raúl González chegou a dizer a Bechham, seu companheiro no real Madri, que o inglês vive feliz na Espanha.Para uma cidade chamada de a capital do mundo como é Nova York não estar entre as favoritas é desanimador. A campanha sofreu com a decisão de uma junta estatal que rejeitou os planos para a construção do estádio olímpico em Manhattan, há um mês. Com pouco tempo, os dirigentes da candidatura de Nova York esboçaram um segundo plano no condado de Queens, sem a mesma sofisticação.?Se o COI quer uma cidade com coração, uma cidade que sabe levantar-se do chão, que sabe conviver com suas diferenças, que pode unir-se em momentos difíceis e que fará tudo para ser sede dos Jogos, Nova York passará no exame?, disse o prefeito Michael Bloomberg, em discurso político.Moscou tem os mesmos problemas de Atenas, há oito anos, quando ganhou a sede dos Jogos de 2004: poluição, trânsito e terrorismo. ?É uma grande oportunidade para mostrarmos ao mundo o quanto a Rússia vem mudando. Vivemos uma nova era?, disse Dmitry Svatkosky, o número dois da campanha russa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.