Jogos começam com o 'treinamento de pódio'

Ensaio geral é hoje para os homens, quando os atletas se apresentam diante dos árbitros e mostram as suas séries

AMANDA ROMANELLI , ENVIADA ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2012 | 03h06

LONDRES - No calendário de competições, lá está a data: a disputa da ginástica artística começa no sábado, com as qualificatórias do masculino. Mas a realidade é um pouco diferente. A competição sempre se inicia alguns dias antes - no caso da Olimpíada de Londres, hoje - com o pouco conhecido "treinamento de pódio".

O treinamento de pódio é um ensaio geral para a disputa. É a única vez em que competidores entrarão no ginásio antes do início das provas. E, diante dos árbitros, vão poder mostrar suas séries. "Um momento importante até politicamente", diz Renato Araújo, técnico de vários atletas da delegação brasileira, incluindo Diego Hypolito. "É quando o atleta mostra aos árbitros os elementos que pode fazer, a sua série. E, com isso, pode ganhar a confiança de quem julga."

O treinamento de pódio ocorre na hora em que os atletas vão, de fato, se apresentar. No caso dos três ginastas brasileiros - Diego Hypolito, Arthur Zanetti e Sérgio Sasaki -, o teste começa a partir das 11h30 (de Brasília). Os atletas usam a roupa com a qual vão se apresentar, buscam referências espaciais no ginásio (no caso, a North Greenwich Arena) e tentam se acostumar com a iluminação e os aparelhos.

Segundo Marcos Goto, técnico de Arthur Zanetti, vice-campeão mundial das argolas, o treinamento de pódio é o momento "em que todo mundo se vê".

Para a equipe feminina, que fará o treino amanhã e começa a competir no domingo, também servirá para se acostumar com o horário ingrato. As provas começam às 9h30 locais, 5h30 no Brasil. "É bom para a gente já começar a adaptar o corpo e ver quanto tempo vamos demorar para ir à competição. Acho que vamos ter de sair umas 5h, 5h30", disse Daiane dos Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.