Behrouz Mehri / AFP
Behrouz Mehri / AFP

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Jogos de Tóquio-2020 anunciam redução de US$ 300 milhões em orçamento

Nova previsão de gastos segue diretriz do COI para cortar custos na preparação das sedes das Olimpíadas

Estadão Conteúdo

22 Dezembro 2017 | 11h58

O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 anunciou nesta sexta-feira uma redução de US$ 300 milhões (cerca de R$ 990 milhões) no orçamento do grande evento esportivo na capital japonesa. O montante total caiu de US$ 12,9 bilhões (R$ 42,5 bilhões) para US$ 12,6 bilhões, nesta segunda versão do orçamento.

+ Tóquio-2020 revela mascotes finalistas dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos

+ Laboratório é novo aliado dos atletas brasileiros para alcançar vaga em Tóquio

O corte nos gastos tem sido uma busca constante dos organizadores desde as primeiras projeções nos gastos. A meta é usar o mínimo de recursos públicos para preparar a Olimpíada. Por isso, em comparação à primeira versão do orçamento, a diminuição do valor total alcançou a cifra de US$ 1,4 bilhão. A queda de US$ 300 milhões aconteceu em comparação às estimativas divulgadas em maio, meses após a definição da primeira versão.

Pela divisão dos custos, o Comitê desembolsará US$ 5,6 bilhões do valor atual do orçamento. Os restantes US$ 7 bilhões caberão à gestão municipal de Tóquio e ao governo japonês. Ao mesmo tempo que reduziu os custos, a organização dos Jogos viu o faturamento aumentar em quase US$ 1 bilhão pela chegada de novos patrocinadores ao grande evento. A expectativa de receita com estas fontes atingiu a cifra de US$ 2,9 bilhões.

A meta é seguir reduzindo os custos, de acordo com a Agenda 2020, elaborada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) para diminuir cada vez mais os gastos na preparação das sedes das Olimpíadas. No caso de Tóquio, a organização está transferindo modalidades para estruturas já existentes, com a meta de evitar a construção de novos equipamentos esportivos.

"Queremos fazer uma fantástica edição dos Jogos Olímpicos, mas, ao mesmo tempo, não quero usar nenhum fundo público", disse Hidemasa Nakamura, diretor financeiro do Comitê Tóquio-2020, nesta sexta-feira. "Vamos continuar a tentar reduzir cada vez mais os nossos custos", garantiu.

Um dos vice-presidentes do COI, John Coates, já havia reiterado a preocupação com os gastos na preparação dos Jogos. Com a redução, a entidade espera tornar Tóquio-2020 como a referência de baixo custo para o grande evento, com o objetivo de atrair mais cidades interessadas em receber as futuras edições dos Jogos.

A terceira versão do orçamento da Olimpíada de Tóquio será divulgada somente em dezembro de 2018, a menos de dois anos do evento.

Mais conteúdo sobre:
Olimpíada Tókio 2020

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.