Jogos: doping constrange técnico

Depois de ter sido flagrada pelo exame antidoping, que acusou a presença da substância estanozolol em seu organismo, e a conseqüente perda da medalha de ouro nos 1500 metros do atletismo dos Jogos Sul-Americanos, em Belém, Eliana Luanda Cardoso Pereira recebeu no domingo a confirmação do seu desligamento da equipe Pão de Açúcar/BMF. A atleta de 19 anos e seus familiares não quiseram dar declarações e aguardam em Piracicaba, no interior de São Paulo, o julgamento final da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt). Por enquanto, ela fica suspensa de competições e pode pegar até dois anos de afastamento do esporte. Dirigentes da BMF informaram que Eliana não havia comunicado que estava tomando suplementos ministrado por um profissional fora da equipe. Em nota, o médico particular da atleta, Júlio César Alves, esclarece que ela estava em tratamento desde março e que vinha utilizando diariamente os suplementos nutricionais Creatina 5g., BCAA 5g, L-Glutamina 3g., Complete Works 40 g. e 2 cápsulas de Nor-andro-stack. O médico justifica que "nossas pretensões eram melhorar seu aspecto físico e conseqüentemente rendimento técnico..". E ainda, "o pre-hormônio androstene pode ser convertido em estanozolol" e finaliza "sem caracterizar, em hipótese nenhuma, o uso de substâncias abolidas pelo COI (Comitê Olímpico Internacional)". O técnico da equipe BMF, Clodoaldo Lopes do Carmo, disse não ter sido informado sobre os medicamentos que Eliana vinha tomando para melhorar a sua performance. Ele classificou como "irresponsabilidade" o fato do médico particular da atleta considerar irrelevante as substâncias ministradas a sua paciente. "Em nenhum momento, Eliana nos comunicou que vinha consumindo esses suplementos e ela tinha consciência que se fosse vencedora nas provas teria que se submeter a antidopagem", contou. "Dois anos de afastamento de um atleta pode ser uma eternidade", lamentou o técnico, acrescentando o enorme prejuízo na imagem das partes envolvidas e, em especial, pelo fato de Eliana ficar sem poder participar de competições e deixar de receber o ouro nos Jogos Sul-Americanos. "Foi muita inocência dela, uma jovem com grande potencial, de uma família simples e agora mais esse obstáculo a ser vencido."

Agencia Estado,

12 Agosto 2002 | 16h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.