Jogos: Franziska só quer acabar prova

Uma carioca de 36 anos, que mora e trabalha como tradutora e intérprete na Noruega, é a representante brasileira na prova de 10 quilômetros do cross country, nesta terça-feira, nos Jogos Olímpicos de Inverno de Salt Lake City, a partir das 14 horas (horário de Brasília). Franziska Becskehazy começou no esporte por acaso. Em 1999, casou-se com um norueguês e mudou-se para Oslo. Lá, passou a praticar cross country, um dos esportes mais populares no país. No ano passado, após o nascimento da filha, Francesca, dedicou-se ainda mais ao cross country, como forma de perder os 18 quilos que engordou durante a gravidez. Logo percebeu que teria chance de lutar por uma vaga para competir nos Jogos, o que conseguiu em dezembro de 2001.Franziska sabe que chegar ao pódio em Salt Lake é um sonho impossível. "Para mim, completar a prova já vai valer como uma medalha." A atleta tem treinado pesado na pista de competição, pois diz que a neve de Salt Lake é bem diferente daquela da Noruega. "Sem falar no traçado da pista, que é bem difícil, cheio de subidas." A idéia dela é chegar esgotada ao fim da prova. "Quero usar todas as minhas forças para fazer o melhor tempo possível. Vou ficar toda dolorida, mas vai ser por uma boa causa."Recorde - A alemã Claudia Pechstein bateu nesta segunda-feira o recorde mundial e olímpico da patinação de velocidade nos 3 mil metros, com 3min57s70, conquistando sua sexta medalha olímpica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.