Divulgação
Divulgação

Jogos Paralímpicos de 2016 terão ingressos a partir de R$ 5

Serão 3,3 milhões de ingressos, 80% deles para brasileiros

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

27 Agosto 2015 | 17h29

A venda dos 3,3 milhões de ingressos para os Jogos Paralímpicos do Rio-2016 começará no próximo dia 7 de setembro e a intenção dos organizadores é que a competição bata recorde de público. Para isso, algumas das sessões terão ingressos a partir de R$ 5 (meia-entrada). Como na Olimpíada, o bilhete mais caro será comercializado para a cerimônia de abertura, podendo chegar a R$ 1.200.

Os primeiros detalhes da comercialização foram divulgados nesta quinta-feira. Do total de 3,3 milhões de bilhetes, 80% (2,64 mi) serão vendidos para brasileiros. A primeira fase de comercialização, por sorteio, inicia no dia 7. O resultado sai em 6 de outubro e a partir de dezembro inicia a venda direta.

"Os ingressos são acessíveis. Começam a R$ 10, com meia-entrada a R$ 5. Eles podem ser parcelados em até cinco vezes, o que faz com que nesse caso as parcelas sejam de R$ 1", destacou Donovan Ferreti, diretor de Ingressos do Comitê Rio-2016.

A expectativa é que boa parte das entradas seja vendida já na primeira etapa. As cerimônias de abertura e encerramento, e esportes como natação e basquete em cadeira de rodas, devem ter sua carga de bilhetes esgotada já na fase de sorteio. "Pegando o exemplo do Olímpico: a gente teve 5,2 milhões de solicitações, mas conseguimos alocar só 1,6 na primeira fase porque as pessoas buscam os eventos de maior demanda. A gente acha que algo parecido deve acontecer agora", pontuou Ferreti.

Os 3,3 milhões de ingressos estão divididos em 315 sessões, que incluem as duas cerimônias. A de abertura varia de R$ 100 a R$ 1.200 e a de encerramento tem ingressos entre R$ 100 e R$ 1.000.

MARCO

O Comitê Rio-2016 está preparando um Festival Paralímpico nos dias 6 e 7 de setembro para festejar a data de um ano para início da Paralimpíada. O evento acontecerá na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Parque dos Patins. Haverá duelo de velocistas, exposição de fotos e outras atrações culturais. "A ideia é fazermos um programa bem família", afirmou Mario Andrada, diretor de Comunicação da entidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.