Daniel Zappe/MPIX/CPB
Daniel Zappe/MPIX/CPB

Jogos Paralímpicos terão parceria inédita de países de língua portuguesa

Comitês nacionais criam a Casa da Lusofonia em um edifício icônico de Tóquio, que funcionará durante a competição

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2019 | 04h36

Em plena Shibaura House, um edifício moderno, de design arrojado e famoso por suas paredes de vidro, no coração de Tóquio, vai funcionar a Casa da Lusofonia, um projeto que estará aberto ao público durante os Jogos Paralímpicos de 2020, evento que será disputado entre 25 de agosto e 6 de setembro do próximo ano, no Japão.

Ele será um espaço comum para os países de língua portuguesa e vai receber parceiros institucionais dos comitês paralímpicos nacionais, membros da mídia e público em geral que se interesse pela cultura lusófona. O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) faz parte desta iniciativa inédita e festeja o acerto com as outras entidades.

“A Casa da Lusofonia será um marco emblemático do espírito colaborativo que compartilhamos com os Comitês Paralímpicos Nacionais da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Será um espaço interessante, com as mais diversas atividades para seus visitantes”, explicou Mizael Conrado, presidente do CPB.

Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste são membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e todos possuem comitês paralímpicos nacionais. O anúncio dessa parceria faz parte das comemorações do marco de 500 dias para os Jogos Paralímpicos.

“A iniciativa mostra o espírito de unidade que há entre nossas nações, em especial quando se trata do esporte paralímpico. É uma oportunidade única de inspirar uma geração e difundir nossos valores na sede dos próximos Jogos”, explicou Mizael, lembrando que a Casa da Lusofonia terá uma programação diversificada em todos os dias da Paralimpíada, com transmissão ao vivo de provas do torneio, exposições permanentes e eventos esportivos, gastronômicos e turísticos, entre outras coisas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.