John Drumond queima largada dos 100 metros

O norte-americano John Drumond não foi à semifinal dos 100 metros, neste domingo, mas deu show no Stade de France, nas quartas-de-final da prova do 9° Mundial de Atletismo. Em protesto contra a desqualificação por ter ?queimado? a largada - saída falsa, registrada pelo sensor de partida - Drumond, campeão mundial e olímpico do revezamento 4 x 100 m, provocou um tumulto que atrasou o programa de provas do segundo dia de competições - chegou a deitar no meio da pista. ?Tinham de chamar a segurança e tirar ele de lá", opinou o brasileiro Edson Luciano Ribeiro, que correu a quarta série dos 100 m - com 10s28 não se classificou para a semifinal. Drumond estava na terceira série das quartas-de-final da prova mais rápida e baladada do atletismo. Primeiro, a largada foi ?queimada? pelo jamaicano Asafa Powell, com tempo de reação de 0.086 segundos, conforme a Associação de Federações Internacional de Atletismo (Iaaf). A primeira largada falsa é permitida. Todos voltaram ao bloco de saída, mas no segundo tiro foi a vez de Drumond ter um tempo de reação de 0.052, quase a metade dos 0.100 segundos, determinado pela regra n° 162.7 da Iaaf. Os dois receberam cartão vermelho. Asafa deixou a pista e Drumond começou seu protesto. Fez gestos bruscos com as mãos e com a cabeça negativamente, deitou na pista, saiu, chegou a baixar as alças do macaquinho, mas voltou, deitou de novo na pista, fez bicos enormes e outras caretas, tudo mostrado pelo telão do Stade de France e a televisão. A terceira série foi postergada, enquanto a Comissão Técnica discutia o problema. Confirmada a eliminação, os seis corredores voltaram a pista, sem Drumond e Asafa, e após a disputa da quarta série. ?Ele deu soquinho com o pé no bloco de largada e o sensor registrou. Agora está lá, chorando", contou Edson Luciano sobre Drumond. ?É a segunda vez que vejo ele sair chorando de um Mundial. A outra foi quando desqualificou a equipe de revezamento dos Estados Unidos, ao passar da zona de entrega do bastão." Drumond ainda pulou no fosso de água da área de aquecimento. Edson disse, inclusive, que teve uma saída muito ruim, preocupado com a sequência de largadas falsas que, na verdade, começou pela manhã. Neste domingo, o melhor tempo nos 100 m, que terá semifinal e final nesta segunda-feira, a partir das 17h10 (horário de Brasília), foi de Darrel Brown (10s01), de Trinidad e Tobago, seguido por Kim Collins (10S02), de Saint Kits e Neves e Dwain Chambers (10S03), da Grã-Bretanha. O brasileiro Anderson Oliveira dos Santos foi 22° nos 400 metros (45s94) e não passou às semifinais da prova.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.