AO VIVO

Árbitro iraniano vai apitar Brasil x Sérvia na última rodada da primeira fase

John John Florence vence em Portugal e garante título antecipado do Circuito

Havaiano coloca fim ao reinado brasileiro na modalidade após as conquistas de Medina e Adriano de Souza

Estadão Conteúdo

25 Outubro 2016 | 08h45

Faltando ainda uma etapa para o fim da temporada 2016, o Circuito Mundial de Surfe já tem um novo campeão. Trata-se do havaiano John John Florence, uma das referências da nova geração. Aos 24 anos, ele faturou seu primeiro título nesta terça-feira ao avançar à final em Peniche. Na decisão, não decepcionou e conquistou também o troféu da etapa portuguesa da competição. Com o resultado, John John adiou o sonho do brasileiro Gabriel Medina de buscar o bicampeonato.

"Toda a minha vida me levou na direção deste título. Não consigo acreditar que sou o campeão mundial. Essa era o meu objetivo, o meu sonho. Estou amarradão", celebrou o havaiano, na manhã desta terça.

 

Com o resultado obtido em Peniche, John John chegou aos 56.400 pontos na temporada e não pode ser mais superado por mais nenhum rival. Gabriel Medina segue na vice-liderança do campeonato. Porém, com 45.450 pontos, não conseguirá alcançar o havaiano mesmo se vencer a última etapa, em Pipeline, em dezembro (janela de competição entre os dias 8 e 20).

John John encerrou um recente domínio brasileiro no Circuito Mundial. Medina faturara o título em 2014 e Adriano de Souza, o Mineirinho, foi o campeão do ano passado. Com uma eliminação precoce em Peniche, Medina acabou abrindo caminho para o primeiro triunfo do havaiano no Circuito.

Para tanto, John John só precisou chegar à final nesta terça, uma vez que o sul-africano Jordy Smith foi eliminado na semifinal - se Smith tivesse avançado, o havaiano precisaria da vitória na decisão para assegurar o título antecipado da temporada. No entanto, Smith caiu diante do norte-americano Conner Coffin por 15,00 a 14,37.

John John fez mais bonito e derrotou outro americano, Kolohe Andino, por 13,84 a 8,47. E, na final, foi ainda melhor, ao superar Coffin por 16,67 a 9,93, com direito a tubos perfeitos, rasgadas e até um aéreo, com a confiança de quem já era o novo campeão mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.