Jordânia exclui três membros da delegação paralímpica

A Jordânia anunciou nesta quinta-feira a exclusão de três membros de sua delegação classificados para os Jogos Paralímpicos, a partir do dia 29. Dois atletas do levantamento de peso e um treinador foram cortados do evento, a ser realizado também em Londres, após acusação de agressão sexual.

AE, Agência Estado

23 de agosto de 2012 | 12h33

O Comitê Paralímpico da Jordânia afirmou que os três vão voltar para o país ainda nesta quinta, mas retornarão para Irlanda do Norte, onde foram acusados do crime sexual, para audiências, no dia 18 de outubro.

Eles foram presos na segunda-feira em Belfast, onde a delegação jordaniana se preparava para os Jogos. Os dois atletas e o treinador foram liberados sob pagamento de fiança na quarta. Em nota, o Comitê Paralímpico explicou que "não seria apropriado que os atletas acusados participassem" da competição.

"Temos tolerância zero com qualquer desvio de conduta e continuaremos a trabalhar ao lado das autoridades da Irlanda do Norte para ajudá-los na investigação", declarou o Comitê nacional, que tenta colocar a Jordânia no mapa do esporte mundial.

De acordo com a polícia, os atletas cadeirantes Omar Sami Qaradhi e Motaz Al Junaidi e o treinador Faisal Hammash teriam tentado agredir sexualmente duas garotas, de 14 e 16 anos, no dia 18 deste mês. Outras duas mulheres fizeram as mesmas alegações.

Qaradhi enfrenta três acusações de agressão sexual, duas delas contra menores, e uma de voyeurismo. O treinador vai encarar duas acusações, enquanto Al Junaidi terá que se defender de uma acusação da Justiça irlandesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.