Jorginho: ''Talvez eu esteja com mais sorte''

Invicto no Palmeiras, técnico, ainda interino, não se diz mais competente que Luxemburgo

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

20 de julho de 2009 | 00h00

No sete jogos iniciais do Campeonato Brasileiro, o Palmeiras conquistou 12 pontos. O técnico era Vanderlei Luxemburgo e o time vinha sendo criticado. Jorginho assumiu e mudou a situação - o time é o vice-líder. No sábado, ele conseguiu a quarta vitória consecutiva (1 a 0 no Santo André) em cinco partidas e ainda não sabe o que é derrota. Apesar de a equipe estar atuando melhor, o ainda interino prefere não dizer que é mais competente que seu antecessor."Talvez eu esteja num momento de mais sorte do que ele (Luxemburgo)", falou o técnico, depois do bom triunfo do Palestra Itália.O discurso de Jorginho não mudou. Vitória após vitória, ele segue dizendo que está tranquilo quanto à efetivação. A diretoria ainda não se definiu e o mantém no cargo enquanto os resultados aparecem. Dificilmente a semana passará sem novidades. O presidente Luiz Gonzaga Belluzzo já elogiou o interino, se é que Jorginho ainda pode ser chamado assim. Para os jogadores, ele é o técnico oficial. Mas Marcos pede uma resposta."É preciso ter uma definição rápida. Nem a gente aguenta mais", falou o goleiro, cobrando um anúncio da diretoria.Os jogadores abraçaram a causa. A cada treino, em todo jogo, o discurso é de apoio a Jorginho. Por isso o incômodo de alguns atletas. Quanto mais rápido uma definição, menos eles precisam se explicar. "Para gente ele é o nosso técnico desde que assumiu", disse Pierre. "Ele passa o que gosta pra gente fazer em campo. O Jorginho e o time estão de parabéns", ressaltou Marcos.O goleiro lembra da fase do time para fazer campanha política pelo treinador. "Os números não mentem. Para quem gosta de estatísticas, o Jorginho está demais."O jogo da semana passada, contra o Flamengo, no Maracanã, se colocava como o desafio mais difícil de Jorginho - o Palmeiras venceu por 2 a 1. Nesta semana, o time tem pela frente duas partidas complicadas, que podem estar causando a demora numa resposta da cúpula alviverde para efetivar o interino. O temor é como a torcida e conselheiros vão se comportar se a derrota vier no clássico contra o Corinthians, domingo, em Presidente Prudente."Sei que ainda vamos tropeçar e ter problemas", alertou Jorginho. Na quarta-feira, o confronto é contra o Goiás, no Estádio Serra Dourada. Maurício Ramos, Pierre e Ortigoza, suspensos, são os desfalques.Jorginho acredita que a equipe está preparada para conquistar o Brasileiro. Já acha que é capaz de levar a equipe ao título. "Os atletas estão prontos e a comissão também. Com ou sem o Jorge", disse, com a mesma humildade que o acompanha desde que foi chamado para comandar o time, há cinco rodadas, no dia 27.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.