Judô brasileiro conquista prata no World Combat Games

SÃO PAULO - A seleção brasileira feminina de judô conquistou mais um grande resultado neste sábado. Na disputa do World Combat Games, evento que reúne cerca de 1.300 atletas de 15 diferentes modalidades de luta em São Petersburgo, na Rússia, as judocas do Brasil faturaram a medalha de prata na disputa por equipes - perderam a final para o Japão, atual campeão mundial. No Mundial de Judô, realizado no começo de setembro, no Rio, Brasil e Japão também fizeram a final da disputa por equipes no feminino. Na ocasião, as japonesas ganharam por 3 a 2 e levaram o título. Neste sábado, na Rússia, a vitória foi por 4 a 1. Mas, mesmo com a nova derrota, a seleção brasileira voltou a mostrar sua força no cenário internacional.

AE, Agência Estado

19 de outubro de 2013 | 14h42

Para chegar à final do World Combat Games, o Brasil derrotou o Casaquistão por 5 a 0 e a França por 4 a 1. Contra as japonesas, a única vitória brasileira foi com Maria Suelen Altheman (acima de 70kg). Enquanto isso, Érika Miranda (até 52kg), Rafaela Silva (até 57kg), Ana Carla Grincevicus (até 63kg), Maria Portela (até 70kg) perderam suas lutas. No World Combat Games, a disputa do judô é realizada apenas na competição por equipes. Assim, agora será a vez da seleção brasileira masculina entrar em ação. Neste domingo, Charles Chibana (até 66kg), Eduardo Katsuhiro (até 73kg), Victor Penalber (até 81kg), Eduardo Bettoni (até 90kg) e Rafael Silva (acima de 90kg) buscam novo pódio para o Brasil.

"Gostei muito da forma com a Ana Carla Grincevicus se comportou na competição, especialmente por ser a estreia dela. Precisamos trabalhar mais e melhor contra as japonesas", disse Ney Wilson, gestor técnico da seleção brasileira, já projetando também a disputa deste domingo entre os homens. "No masculino, a equipe está bastante confiante."

Tudo o que sabemos sobre:
judôWorld Combat GamesRio 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.