Judô define mais três atletas para Atenas

Muito choro, de alegria e tristeza, e polêmica, marcaram a terceira Seletiva Olímpica do Judô, neste domingo, em Teresópolis, competição que definiu mais três titulares da seleção brasileira que vai aos Jogos Olímpicos de Atenas, em agosto. Os classificados são Henrique Guimarães (meio-leve), Flávio Canto (meio-médio) e Mário Sabino (meio-pesado). Alexandre Lee, titular no peso ligeiro, ainda buscará a vaga olímpica do Brasil no Pan-Americano de Isla Maragarita (VEN), de 20 a 25 de abril. Os atletas que já tinham vaga eram Carlos Honorato (médio) e Daniel Hernandez (pesado). A leve é a única categoria que não tem representante. Uma decisão do árbitro, a dois segundos do fim da luta, punindo Tiago Camilo e dando a vitória a Flávio Canto, encerrou a seletiva com uma grande polêmica. Canto e Camilo fizeram a seletiva mais equilibrada. Entraram no tatame do ginásio Pedrão, em Teresópolis, empatados por 1 a 1 na série melhor-de-três (e por 3 a 3 nas lutas). Novamente, o confronto foi definido na terceira luta, no golden score (prorrogação), a 2 segundos do final. O árbitro Luiz Yamate, do Espírito Santo, puniu Tiago Camilo, que vencia a luta, por falta de combatividade, o que reverteu a situação em favor de Flávio Canto. Camilo ajoelhou no chão e ficou aos prantos, Flávio, da Gama Filho, mergulhou para a arquibancada para comemorar a classificação olímpica, nos braços dos torcedores da cidade onde passou parte da infância. A torcida foi contida por policiais para não invadir o dojô e, Mário Tsui Tsui, dirigente da AD São Caetano, acusou o árbitro de erro. "Acho que ele recuou no final porque tinha vantagem de um ponto. A 20 segundos do final ficou pacífico e eu parti para cima como um maluco. Respeito a tristeza dele, mas não tenho porque me preocupar com a arbitragem", disse Canto, de 28 anos, que será titular em sua segunda Olimpíada (foi 7º em Atlanta/1996). Ainda tentou consolar Tiago, dizendo que o rival, de 21 anos, foi campeão olímpico em Sydney/2000, e tem chance de ir a outros Jogos. Mário Sabino, da AD São Caetano, chorou com a vitória por 2 a 0 e a classificação por 2 a 1 na seletiva, na categoria meio-pesado, contra Luciano Côrrea, do Minas Tênis. Vinha de uma semana difícil, com gripe, diarréia, a filha Gyedre, de 1,4 ano, internada no hospital por causa de uma pneumonia e lutou debilitado, com 97 quilos, três abaixo do seu peso normal. "Soldado também chora", disse Sabino, de 31 anos, que é instrutor de defesa pessoal da Polícia Militar em Bauru. Luciano também chorou a desclassificação, na arquibancada. Henrique Guimarães, da AD São Caetano, venceu por 2 a 1, Leandro Cunha, do Pinheiros, e fechou a série por 2 a 0. Deixou o tatame elogiando o jovem rival. "Ele é bom, torço por ele depois que eu parar", acentuou Henrique.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.