Judô promete mais medalhas de ouro

As medalhas de ouro e prata conquistadas pelos jovens judocas Adriano Yamamoto e Andressa Fernandes, respectivamente, no primeiro dia de disputas dos Jogos Sul-Americanos, nesta quinta-feira, no Ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio, mostraram que o futuro reserva esperanças de novos dias de glória para a modalidade. E esta sexta-feira promete mais emoções, já que o gaúcho João Derly Júnior, uma das sensações no circuito europeu este ano, entra no tatame para brigar pelo degrau mais alto do pódio. Yamamoto mostrou o porquê de aos 18 anos ser apontado como uma promessa do esporte. De estilo ofensivo, ele venceu as quatro lutas que disputou (duas por ippon) e encaixou vários golpes nos adversários. Apesar de sua desenvoltura, o super ligeiro (categoria até 55kg) elogiou o alto nível da competição e disse só ter temido pelo resultado do primeiro confronto, por causa do nervosismo. Mas o nervosismo de Yamamoto não conseguiu superar o de Andressa Fernandes, de 15 anos, que só não ficou de fora das disputas por causa de uma goma de mascar (chiclete). Nos últimos três dias, ela precisou emagrecer 6kg para poder competir na categoria super ligeiro, que no feminino é de até 44kg. Nesta quinta-feira pela manhã, pouco antes da pesagem, ainda faltavam 200g para a judoca atingir o peso ideal. "Não adiantava mais nem correr para transpirar. O jeito foi mascar chicletes e ficar cuspindo saliva", revelou Andressa. "Fui a última a pesar e o ponteiro marcou em cima dos 44kg. Depois do sufoco, Andressa garantiu que nas próximas competições deixará a categoria super ligeiro para ficar bem mais "tranqüila" na ligeiro (até 48kg). A paixão pelo judô nasceu precoce em Andressa, logo aos oito anos, sob a influência do pai, lutador de Karatê. Os primeiros títulos vieram três anos depois e, o último, foi este ano: campeã brasileira juvenil. Em busca do ouro - Favorito para a conquista da medalha de ouro nesta sexta-feira, Derly Junior luta para dar seqüência aos resultados significativos obtidos este ano. Campeão mundial sub-21 em 2000, medalhista de bronze na Universíad, em 2001, o judoca venceu três dos quatro torneios europeus de que participou este ano - no outro, ficou em segundo lugar. "Estou bem preparado, mas não posso menosprezar meus adversários", disse Derly Junior. "Acredito que meu adversário mais forte será o argentino Miguel Albarracin." Incidentes - Dois incidentes marcaram o primeiro dia de competições no Rio. Por causa de um problema nas inscrições dos atletas panamenhos, o início das disputas no judô teve um atraso de 1 hora e 45 minutos. Como a Confederação de Judô do Panamá não é reconhecida por nenhuma entidade internacional, seus dois atletas foram impedidos de participar da disputa. Ainda pela manhã, o ônibus que transportava a delegação brasileira e parte das delegações paraguaia e chilena colidiu com outro ônibus próximo ao ginásio do Tijuca Tênis Clube. A frente do veículo ficou parcialmente destruída, mas não houve feridos.

Agencia Estado,

01 Agosto 2002 | 18h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.