Judocas contam com ajuda da tecnologia

Atletas do País têm auxílio de programa de computador para estudar adversários na luta por medalhas

WILSON BALDINI JR. , ENVIADO ESPECIAL / LONDRES , O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2012 | 03h06

Os judocas brasileiros trocaram o quimono pelo computador desde o sorteio das chaves, ontem pela manhã, em Londres. Orientados por um programa que reúne mais de 12 mil lutas (7 mil do masculino e 5 mil do feminino) nos últimos quatro anos, os brasileiros se concentraram no Hotel em Sheffield para obter a melhor estratégia para os combates a partir deste sábado.

Ney Wilson, diretor técnico da Confederação Brasileira de Judô, considerou satisfatório o sorteio. "O primeiro dia é fundamental. Uma medalha vai diminuir a pressão sobre os demais atletas. Confio no grupo."

Entre os 14 judocas nacionais (sete no masculino e sete no feminino), o caminho teoricamente mais fácil é o de Mayra Aguiar (até 78 quilos). A brasileira, de 20 anos, tem um duelo fácil frente Hana Mareghni, da Tunísia, no combate de estreia. Seu duelo mais complicado está previsto para a semifinal, quando terá pela frente a norte-americana Kayla Harrison. "Vai ser uma final antecipada", disse Rosicléia Campos, técnica do feminino.

Érika Miranda (até 52 quilos) é outra que teve sorte na escolha das adversárias. Segundo Rosicléia, a brasileira deve passar com tranquilidade pela coreana Kyung-Ok Kim na primeira rodada, só tendo problemas diante da russa Natalia Kuziutina nas quartas de final. Mariana Silva (até 63 quilos) tem trajeto semelhante. O problema vai ser na terceira luta, frente à holandesa Elisabeth Willebbordse, medalhista em mundial.

Mas quem terá pedreira pela frente será Rafaela Silva (até 57 quilos) e Maria Portela (até 70 quilos). "Todas as possíveis rivais da Rafael são muito fortes e com estilo parecido ao dela", comentou Rosicléia. "Já a Portela vai ter de cara a colombiana Yuri Alvear, ex-campeã mundial e que atua com a guarda cruzada. O que dificulta muito." Maria Suelen (acima de 78 quilos) pega a francesa Anne-Sophie Mondiere.

No masculino, Tiago Camilo terá dificuldade para conquistar a terceira medalha olímpica. Entre os médios (até 90 quilos), o brasileiro faz a primeira luta com o ucraniano Roman Gontiuk e depois deve encarar o italiano Roberto Meloni.

Leandro Guilheiro, forte candidato ao ouro entre os meio-médios (até 81 quilos), enfrenta Konstantins Ovchinnikovs, da Letônia, na primeira luta. "Um adversário chato, com um judô nada tradicional", comentou Ney Wilson. "No terceiro, o rival será o americano Travis Stevens. Também duro, mas o Leandrinho deve passar."

Leandro Cunha e Bruno Mendonça não devem ter moleza a partir do segundo combate. Já Luciano Corrêa poderá repetir o duelo com o holandês Henk Grol, de quem perdeu em Pequim. O peso pesado Rafael Silva só vai enfrentar o favoritíssimo Teddy Riner em uma possível final.

JUDÔ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.