Juliana e Larissa ganham ouro na praia e correm para pegar avião

A dupla brasileira Juliana eLarissa mal vai ter tempo de saborear a medalha de ouro dovôlei de praia nos Jogos Pan-Americanos, conquistada na noitede sábado, pois domingo já viaja para a Suíça, onde disputamais uma etapa do circuito mundial, que começa na terça-feira. Encerrado o Pan-Americano, as brasileiras já partem para umnovo desafio em suas carreiras -- vencer o torneio na Suíça ebuscar a vaga para a Olimpíada de Pequim, em 2008. "Este campeonato na Suíça só ocorre de dois em dois anos ese você vence a chance de ir para a Olimpíada é muito grande",afirmou Larissa, já sinalizando a mudança de foco, pouco depoisde uma conquista que também estava entre as metas estabelecidaspara este ano. Larissa disse que parte mais confiante para os torneios quevêm pela frente, pois o Pan-Americano lhe devolveu o prazer dejogar. "Tenho que agradecer à torcida que fez renascer em mim umacoisa que estava meio apagada, que era jogar sorrindo, teralegria com o que faço", disse a jogadora, que foi agarradapela torcida ao subir na beira da arquibancada para festejar otítulo e teve dificuldade para se desvencilhar. Na final contra as cubanas Dalíxia Fernandes e TamaraLarrea, a dupla brasileira não fez uma grande partida, masjogou o suficiente para recuperar a medalha de ouro perdidapelo Brasil no Pan de Santo Domingo, justamente para a duplacubana. A final foi um retrato de todo o torneio, no qual ficouflagrante a superioridade das brasileiras. "Desde que o nosso nome saiu como representantes do Brasil,diziam que a medalha já estava ganha. Mas é preciso ver paracrer, e o Pan funcionou como um laboratório pra gente sentir umclima de Olimpíada", comentou Juliana. Segundo ela, a dupla brasileira não levou em conta emnenhum momento a superioridade que lhe é atribuída. "Essa semana quem me chamou atenção foi a (judoca)Edinanci. Ela chegou lá e matou todo mundo. Fizemos o mesmo",resumiu Juliana. As cubanas reconheceram mais uma vez o melhor jogo dasbrasileiras e, ao ser perguntada sobre o que seria necessáriofazer para derrotá-las, Dalíxia respondeu de pronto, em tom debrincadeira: "Matá-las".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.