Júlio Baptista tem a sua grande chance

Dunga fará treinos secretos, não vai confirmar a escalação, mas utilizará o jogador no lugar de Kaká

Sílvio Barsetti, enviado especial Johannesburgo, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2010 | 00h00

Dunga não é afeito a surpresas, mas, ainda assim, deve comandar um ou dois treinos secretos antes do jogo de sexta-feira, contra Portugal, para esconder do adversário a provável escalação de Júlio Baptista, substituto natural de Kaká, expulso no jogo com a Costa do Marfim, domingo. Hoje, a equipe titular volta a treinar no campo do Sthithians College, em Johannesburgo.

O jogo com Portugal, em Durban, vale a disputa do primeiro lugar do Grupo G. E o técnico pode até trabalhar com a hipótese de outro desfalque: Elano, que deixou o Soccer City, anteontem, carregado pelos ombros após sofrer forte pancada no tornozelo. Mas, como até as 23 horas de ontem, horário sul-africano, o site da CBF informava que não havia ninguém sob cuidados médicos na seleção, deduz-se que tenha condições de enfrentar os portugueses.

Em mais de uma entrevista, desde a fase inicial de preparação para a Copa, em Curitiba, Dunga explicou que na eventualidade de ficar sem Kaká para um ou outro jogo, Júlio Baptista seria sua primeira opção. Contra a Coreia do Norte, Kaká saiu a poucos minutos do fim da partida e deu vez a Nilmar. Dunga, em seguida, disse que preferiu o atacante a Julio Baptista para dar mais velocidade ao ataque, que sofria com a retranca adversária. Logo depois, reforçou que Julio foi convocado prioritariamente para atuar na posição de Kaká.

Se Elano não jogar, a tendência é que Ramires entre na sua vaga. Mas ainda haveria a possibilidade, mais remota, de Daniel Alves ocupar o lugar de Elano, como ocorreu por alguns minutos contra os marfinenses.

A seleção tem treino marcado para hoje e amanhã no Sthithians College. Deve fazer um trabalho tático e pelo menos um mini-coletivo. Como de costume, Dunga também deve ensaiar cobranças de falta e de escanteio. Para ele, esconder o jogo é um trunfo do qual não abre mão. Fez isso para levar o Brasil a vencer a Coreia do Norte por 2 a 1 ? a mesma que perdeu ontem por 7 a 0 para Portugal. E voltou a faze-lo antes da boa exibição, nos 3 a 1 sobre a seleção africana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.