Julio Cesar está perto de superar Taffarel

Julio Cesar dá de ombros quando é informado que pode bater um recorde. Se não tomar gol, será o quinto jogo invicto nas Eliminatórias, superando marca que até agora pertence a Tafrfarel, um de seus ídolos de infância. "Não quero pensar em marca, até porque não tenho ego. Ficar falando que não vai tomar gol é ruim.Chama gol." Taffarel ficou quatro jogos sem levar gol nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1994. Esse feito já foi alcançado por Julio Cesar no domingo, na Venezuela. O último ataque que vazou o brasileiro foi do Paraguai, em julho - na derrota por 2 a 0. Depois foi o 0 a 0 contra a Argentina, os 3 a 0 no Chile, o 0 a 0 com a Bolívia e os 4 a 0 nos venezuelanos. Em 22 agosto de 1993, Taffarel saiu ileso contra o Equador, jogo que o Brasil venceu por 2 a 0, no Morumbi, e que teve com um dos artilheiros o hoje treinador de Julio Cesar no Brasil, Dunga. Na seqüência foram as vitórias sobre Bolívia (6 a 0, em Recife), Venezuela (4 a 0, em Belo Horizonte) e o jogo no qual alcançou o recorde. O palco? Justamente o Maracanã, que hoje recebe Julio Cesar contra a Colômbia. O Brasil venceu o Uruguai por 2 a 0, dois de Romário, e garantiu a vaga no Mundial dos EUA. Taffarel não disputou mais jogos de Eliminatórias e ficou com a marca. "O prazer que tenho é o de defender a seleção brasileira. Ser o melhor do mundo, ser o que menos tomou gols, não é o mais importante", afirmou o camisa 1. Julio dividiu os méritos da invencibilidade com a defesa. "A dupla de zaga é a mesma de 2006, e eu treinei contra e com eles naquela preparação", recorda. "Os laterais são outros, mas o Maicon joga comigo na Itália. O entrosamento é fundamental para o sucesso ali atrás."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.