Juvenal admite erro nos reforços

Presidente do São Paulo reconhece que maioria das contratações não deu resultado e diz que Adriano é a exceção

O Estadao de S.Paulo

19 de abril de 2008 | 00h00

O São Paulo errou nas contratações que fez em 2008. A avaliação não veio da oposição ou de uma ala mais corneta da torcida tricolor. Quem admitiu foi o presidente Juvenal Juvêncio. "As peças que trouxemos não corresponderam às nossas expectativas", declarou ontem o mandatário, que na próxima terça-feira tenta a reeleição. O único poupado das críticas foi o atacante Adriano, que marcou 10 gols nas últimas 11 partidas.O meia Carlos Alberto, o volante Fábio Santos, o zagueiro Juninho e o lateral-direito Joílson não tiveram a mesma condescendência por parte do presidente tricolor. O lateral Éder (ex-Noroeste), o atacante Éder Luís (ex-Atlético-MG) e o lateral Jancarlos (ex-Atlético-PR) jogaram pouco neste ano."Tem jogador que estava bem no outro time e aqui não correspondeu", declarou Juvêncio, em clara referência à dupla Juninho e Joílson, que brilhava no Botafogo e nunca convenceu no São Paulo.O dirigente classificou a passagem de Carlos Alberto pelo clube como "um casamento que não deu certo." O meia chegou em janeiro, cedido por seis meses pelo Werder Bremen, e foi dispensado nesta semana, após seguidos atos de indisciplina. "O Luís Fabiano também não deu certo no Porto e foi dar certo no Sevilla. Essas coisas acontecem", comentou.A reintegração de Fábio Santos, sempre segundo o presidente do São Paulo, se deu porque o jogador se desculpou e porque os colegas pediram. E assegurou que o fato de o técnico Muricy Ramalho não dispor de outros volantes no elenco em nada influenciou a decisão.Fábio Santos jogou um relógio em Carlos Alberto e fugiu da concentração no dia 4 de abril. Seria punido por 29 dias (porque 30 significaria demissão), mas teve a pena reduzida quando o time ficou sem volantes para o segundo jogo das semifinais do Campeonato Paulista.O atacante Adriano, por outro lado, foi amplamente elogiado. O dirigente não deixou de atribuir a si próprio a recuperação do Imperador. "Ele está bem aqui, porque voltou a ser alegre." Adriano abandonou um treino, foi multado em 40% do salário e obrigado a pedir desculpas aos companheiros. Apesar de todas as críticas aos reforços, Juvenal não admitiu falar em "falha de planejamento" na montagem do elenco. "Seria um erro de terminologia, mas é verdade que alguns deixaram a desejar." O cartola disse ainda que o clube busca reforços para a segunda fase da Taça Libertadores da América e para o segundo semestre.Na conversa que teve com jornalistas ontem, no Centro de Treinamento do clube, Juvenal também atacou o meia Hugo, que foi reintegrado ao elenco após alguns dias treinando sozinho. "Ele começou a encher a paciência e disse que gostaria de sair por causa da mulher", contou o presidente. "Só que aí nasceu o filho e a família veio para são Paulo. Então acatamos o pedido dele e resolvemos dar mais uma chance."O cartola criticou o estádio do Palmeiras, onde amanhã será definido o segundo finalista do Estadual. "Estranhei que o jogo foi marcado para o Palestra. No ano que vem, vamos tentar mudar o regulamento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.