Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Juvenal ironiza Itaquera e revolta os moradores

Presidente do São Paulo volta a criticar local da abertura da Copa 2014. 'Para chegar lá, só com carro dos Bombeiros'

Ana Paula Garrido, Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2010 | 00h00

O Morumbi foi descartado pela Fifa, que preferiu um projeto do Corinthians para a Copa do Mundo de 2014. A decisão já saiu há quase dois meses e estava amadurecendo havia mais tempo, mas Juvenal Juvêncio ainda não a digeriu. Ontem o presidente do São Paulo mostrou sua indignação com a escolha da entidade máxima do futebol mundial. E se excedeu. Na ânsia de criticar os corintianos, ofendeu os moradores de Itaquera, onde o novo estádio será construído, e Pirituba, local em que também se cogitou uma arena.

"Se vocês (jornalistas) analisarem esse caso com frieza, deixando as paixões de lado, onde está avançando a questão da Copa do Mundo em São Paulo? Se escolher Pirituba, como chega lá, como é o transporte no local? Como são os hospitais? Não tem metrô lá. Se o Blatter (Joseph, presidente da Fifa) se lesionar lá, como ele será socorrido?", questionou o mandatário são-paulino.

Juvenal foi ainda mais ríspido ao falar da região da zona leste. "Citemos Itaquera. Para chegar lá, é preciso um carro do Corpo de Bombeiros", comentou. "Se você trouxer a Angela Merkel (chanceler da Alemanha) para cá, ela não chega lá. E, se tiver de sair, não sai. Isso é um fato", declarou.

O prefeito Gilberto Kassab, que almoçou com Juvenal no Centro de Treinamento da base tricolor, em Cotia, tentou minimizar a irritação do dirigente. "Eu não conheço o projeto (de Itaquera), até porque está sendo feito agora. Mas, como a Fifa não aprovou o Morumbi, nos colocamos à disposição. Queremos a abertura em São Paulo", disse.

Mas a diplomacia do político não amenizou em nada a indignação dos moradores de Pirituba e Itaquera, que se sentiram ofendidos. A vice-presidente da Câmara de Diretores de Lojistas de Itaquera, Lídia Paniaga, por exemplo, achou que a declaração do presidente do São Paulo foi infeliz. "Você subestimar na tentativa de diminuir uma região que representa 4,5 milhões de pessoas não tem nenhum cabimento. O Uruguai com certeza é menor e não enfrenta esse tipo de preconceito", observou Paniaga.

Pirituba. Para André Peixoto, superintendente da Associação Comercial de Pirituba, Juvenal deveria conhecer a região antes de se pronunciar a respeito. "Somos desenvolvidos, temos comércio forte e fácil acesso com o Rodoanel. Tem muita gente que fala de Pirituba sem conhecer. Se viessem para cá, se colocariam de uma maneira diferente", disse.

O São Paulo ainda acha que poderá haver uma reviravolta e o Morumbi acabar recebendo jogos da Copa do Mundo. "Além da área do estádio, precisamos ter duas outras para atender às exigências da Fifa, que quer espaço vip e outras coisas. Onde vai fazer isso em Itaquera? Nesse lugar não tem planta, não tem subsolo, não tem fundação, não tem caderno de encargos da Fifa", prosseguiu Juvenal. "Lá não tem nem hotel para dormir. Copa do Mundo não é só gramado. Quero ver os estudos iniciais de sondagem do solo em Itaquera. Não há."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.