Erik Aeder / Red Bull Content Pool
Erik Aeder / Red Bull Content Pool

Kai Lenny, o surfista que quebra os limites nas ondas gigantes

Havaiano sonha um dia quebrar o recorde mundial do brasileiro Rodrigo Koxa, elogia Maya Gabeira e tem parceria com Lucas Chumbo

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2020 | 10h01

Um dos mais talentosos surfistas de ondas grandes da nova geração, o havaiano Kai Lenny tem o sonho de surfar a maior onda da história. Já chegou perto algumas vezes, mas nunca conseguiu superar a marca do brasileiro Rodrigo Koxa, que desceu uma onda de 24,4 metros e estabeleceu a maior marca da história - no feminino a recordista é Maya Gabeira, com 22,4 metros. "Eu adoraria surfar a maior onda já encarada. Isso pode demorar muito para acontecer, mas, aqueles que já alcançaram isso, eu consegui aprender muito com esses momentos. Rodrigo e Maya dedicaram as suas vidas para encarar as maiores ondas que este planeta pode produzir e espero colocar o meu nome entre eles algum dia", diz em entrevista ao Estadão.

Kai Lenny cresceu em Maui, uma das ilhas do Havaí, e foi lá que virou um waterman, um homem do mar para os havaianos. Ele pratica windsurfe, SUP e foil. Mas foi em cima das pranchas grandes, para aguentar o impacto das ondas gigantes, que ele ficou famoso. "Cada esporte me deu uma nova perspectiva de como encarar a onda gigante. Mesmo se as ondas não estiverem tão gigantescas, eu sou capaz de aprender algumas habilidades, como lidar com uma prancha maior, em velocidade, no meu SUP, ou voar pelo ar com o meu kite. Posso também deslizar pela água com minha prancha de windsurfe e controlar o meu foil em alta velocidade. Cada esporte me permitiu surfar de maneiras que eu não conseguiria se focasse somente no surfe", conta.

Em um ótimo momento em sua carreira, o rapaz de 28 anos se deparou com a pandemia de coronavírus. No início o Havaí não foi tão afetado pela doença, mas muitas fronteiras se fecharam e a circulação de pessoas diminuiu. Com isso, ele não poderia ir a qualquer momento atrás de uma grande ondulação que iria chegar a alguma praia do mundo. "A pandemia, definitivamente, afetou como eu estava vivendo a minha vida, viajando pelo mundo para eventos de marcas, projetos de filmes e pegando as ondas gigantes, ou seja, tudo estava se movendo muito rápido. Em vários âmbitos, a pandemia me forçou a reiniciar", explica

O surfista acabou ficando mais tempo dentro de sua casa em Maui e aproveitou para focar em muitas coisas que não tinha tempo para fazer. "Meu treinamento evoluiu desde que eu fiquei em Maui durante todo o verão e meu equipamento está ajustado em preparação visando à temporada de ondas gigantes do Havaí", conta o atleta, que é famoso por romper os limites nas ondas grandes, principalmente acertando manobras progressivas e ousadas mesmo tendo uma montanha de água vindo atrás dele. Esse estilo radical chama muita atenção dos fãs da modalidade.

"Eu sempre fico honrado quando as pessoas me consideram entre os melhores surfistas de onda gigante, entretanto, eu não sinto que tenha aproveitado todo o meu potencial até agora. Eu tenho tanta coisa na minha cabeça que eu quero fazer, mas estou limitado pela quantidade de tempo quando as ondas gigantes estão próximas. É bem difícil treinar para essas situações porque pode não ter nenhuma onda grande por perto naquele momento. Então eu acabo dando mais atenção aos outros esportes. O modo como eu vejo também é um elemento-chave na maneira como eu encaro cada momento. Meu objetivo, agora, é refinar um conjunto de habilidades e implementar a minha inspiração do snowboard para essas grandes ondas", revela.

Lenny acaba de lançar uma série sobre sua trajetória nas ondas e aprendeu a conviver com câmeras na sua cola durante um bom tempo. "Ter uma equipe de filmagem atrás de você pode ser estressante, contudo, felizmente a equipe foi incrível e sempre prestativa. Durante o período estressante de encarar a onda gigante, não há nada pior do que esperar que uma equipe de filmagem te capte. Mas, realmente, eles foram muito bons e capturaram a minha transformação desde o início da temporada de ondas gigantes até o final. Eu aprendi muito sobre mim e estou feliz que tenha sido registrado na série."

Ele tem vários amigos brasileiros, seja em Maui, onde vive, ou em Nazaré, em Portugal, dois dos lugares que possuem as maiores ondas do mundo. "Há uma grande comunidade de brasileiros aqui em Maui e uma coisa é certa: eles são algumas das pessoas mais apaixonantes que eu já conheci. Meu parceiro de tow in é o Lucas Chumbo. Eu o considero um dos melhores surfistas de ondas grandes e, possivelmente, o mais louco deles", afirma, rindo. "Em fevereiro, ele me colocou na maior onda que eu já peguei até aquele momento. E eu fiz o mesmo com ele e fiquei tão emocionado de vê-lo pegar aquele paredão para a esquerda. No final do dia, acho que ele estava animado para sobreviver a ela e pegar a maior onda da sua vida! Ele sabe que há maiores e ele quer surfá-las."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.