Kaká acelera para voar nas oitavas

Como prometeu após a expulsão no jogo contra a Costa do Marfim, Kaká acelerou o ritmo de treino para a partida de amanhã contra o Chile. A comissão técnica sabia que a parada forçada do melhor jogador da seleção prejudicaria a retomada de ritmo na África do Sul, um esforço que começou no dia 21 de maio, quando a delegação se juntou em Curitiba antes de partir para sua 19.ª Copa do Mundo.

obson Morelli, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2010 | 00h00

O sinal de alerta foi acionado para não deixar que o jogador piorasse fisicamente em sua recuperação. No trabalho preparado para ele ninguém pensou na possibilidade de uma expulsão no meio do caminho, até porque Kaká não tem como característica ser punido com cartão vermelho. Mas a expulsão de domingo fez com que ficasse de fora do confronto de anteontem contra Portugal.

Foi ruim para o meia não ter atuado. O jogador do Real Madrid vinha mostrando bom crescimento técnico e recuperação considerável de sua forma física. Kaká já havia jogado melhor e de modo mais eficiente contra os marfinenses, com participação direta em dois gols, do que na estreia diante dos norte-coreanos.

Evolução. Sua evolução era festejada pela comissão técnica e jogadores. Não há dúvidas de que com Kaká, a qualidade do jogo da seleção cresce. O meia sempre soube das condições que chegou à África do Sul, embora somente depois da primeira partida tenha admitido publicamente sua falta de confiança.

"No começo, na estreia, eu tive receio. Mas depois peguei confiança", disse após os 2 a 1 diante da Coreia do Norte.

Desde que chegou a Johannesburgo, Kaká sempre esperou que as três primeiras apresentações da seleção dessem condições a ele de atuar, se não no auge, ao menos em condições de confirmar as expectativas em relação à sua participação no Mundial. Junto com Lionel Messi e Cristiano Ronaldo ele forma o trio de estrelas da competição sul-africana.

Para que Kaká não perdesse o condicionamento adquirido, o preparador físico Paulo Paixão feito o meia suar a camisa nos treinos, como na quinta-feira, em Durban. Ele trabalhou muito mais que os outros jogadores que teriam de atuar ontem no Moses Mabhida. Brincou no rachão e depois voltou a correr no circuito preparado exclusivamente para ele. Também foi submetido aos exercícios de força, como já estava previsto em sua recuperação. Kaká voltou a treinar com desenvoltura ontem à tarde. Estava descontraído.

Mas Dunga e os preparados físicos sabem que nada que façam com o jogador terá o mesmo resultado da participação em um jogo inteiro. Por isso que ele deverá fazer hoje de manhã algum trabalho de bola ou mais um pouco de treinamento físico.

"Mesmo não jogando, tenho de continuar fazendo o meu trabalho até como forma para incentivar os demais", disse o meia ainda no Soccer City, horas depois de sua expulsão. Agora, é recuperar o fôlego e as passadas para poder fazer a diferença para o Brasil no primeiro jogo do mata-mata na Copa contra o Chile. Ele veio para isso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.