Kaká comemora evolução e se diz mais leve e solto

Meia reconhece que cartão amarelo o limitou diante do Chile, mas diz que vai se policiar contra a Holanda nas quartas

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2010 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL

JOHANNESBURGO

Kaká está cada vez mais leve. São palavras dele após fazer sua melhor apresentação na Copa do Mundo. Se a falta de fôlego ainda o faz caminhar em alguns momentos da partida, a técnica começa a ser apurada como ele mesmo imaginava ser na África. "Não há mais testes, estou dando o meu melhor e agora é jogar a Copa como ela tem de ser", disse um Kaká confiante, como há muito não se via. "Não tem mais teste para mim aqui na Copa. Estou cada vez mais leve e solto."

O craque sorriu quando foi perguntado por jornalistas italianos se o passe para Luís Fabiano havia tido o sabor de um gol. Não teve dúvidas em responder que sim. Ele ressaltou o entrosamento entre ambos apenas no olhar. Quando percebeu o companheiro na linha limite de receber o passe sem entrar em impedimento, não pensou duas vezes para dar o toque de primeira.

Kaká destacou o fato de a seleção do Chile ter jogado para frente contra o Brasil, ao contrário de outros adversários. "Eles jogaram e por isso também deixaram alguns espaços que soubemos aproveitar", analisou. O meia reconheceu, no entanto, que o cartão amarelo recebido por uma falta "comum e sem deslealdade", cometida aos 30 minutos do primeiro tempo, o deixou preocupado, pois poderia ser expulso mais uma vez - já havia sido contra a Costa do Marfim. "O cartão me preocupou, me limitou. Mais uma expulsão não era possível", disse. "Não foi falta maldosa, foi a minha primeira do jogo, mas fiquei preocupado. Estarei pendurado até o próximo jogo, depois zera tudo. Não vou querer ficar fora de uma semifinal. Por isso volto a dizer que preciso me policiar um pouco mais."

Minuto a minuto Kaká

22 min do 1º tempo: O meia arranca pela esquerda e passa para Robinho. O atacante tenta devolver de calcanhar, mas erra

37 min: Kaká dá assistência para que Luís Fabiano, sozinho, faça o segundo gol do Brasil

8 min do 2º tempo: Kaká tenta acionar Robinho, mas erra e a bola sai pela linha de fundo

23 min: Michel Bastos avança pela esquerda, encontra Kaká no meio. A única finalização do meia sai por cima do gol de Bravo

35 min: Deixa o campo para a entrada de Kleberson

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.