Kashiwa, de Nelsinho, é 1º adversário dos brasileiros

Equipe japonesa, dirigida pelo brasileiro, elimina o Monterrey nos pênaltis e agora sonha vencer o Santos e chegar à final

NAGOYA, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2011 | 03h02

Pode faltar técnica e qualidade. Mas se depender de entusiasmo e motivação, o Kashiwa Reysol vai disputar a final do Mundial de Clubes no Japão. Campeão japonês neste ano, o time venceu o primeiro duelo com o Auckland, da Nova Zelândia, e ontem despachou o Monterrey, do México. Após empate por 1 a 1 no tempo normal, o Kashiwa, dirigido pelo técnico Nelsinho Baptista, venceu por 4 a 3 nos pênaltis. Os japoneses enfrentam o Santos na semifinal, quarta-feira, 8h30 (horário de Brasília).

Apesar da sofrida classificação, Nelsinho acha possível materializar o sonho de chegar à final da competição. "Não se pode negar que tecnicamente o Santos é uma equipe de alta qualidade. Todo mundo espera que eles disputem a final contra o Barcelona. Mas nós sentimos que é possível derrotá-los", declarou o treinador após o jogo assistido por 27.525 pagantes.

Nelsinho fez questão de elogiar o Santos. "Mas nós temos também alguns bons valores individuais", destacou. Entre eles estão os brasileiros Jorge Vágner e Leandro Domingues, autor do primeiro gol da partida, aos 8 minutos do segundo tempo, em um bonito voleio.

Para Nelsinho, o Kashiwa foi bem na partida, mas admitiu alguma desorganização no início. "Conseguimos melhorar depois do 20.º minuto, após acertamos a marcação. Aí passamos a jogar de igual para igual com o Monterrey", explicou o técnico.

O treinador do Monterrey (campeão da Concacaf), Victor Vucetich, reconheceu ter ficado impressionado com o Kashiwa. "Tem uma equipe muito forte fisicamente, com alguma técnica, e disciplinada taticamente."

O time mexicano começou a partida a todo vapor e criou algumas chances. O jogo foi centralizado em cima do artilheiro chileno Suazo, que chegou a acertar a trave. Mas depois que o time japonês apertou a marcação, o jogo ficou equilibrado.

No segundo tempo, o gol de Leandro Domingues mudou o panorama da partida, apesar do gol de empate, feito por Suazo. Com melhor preparo físico, o Kashiwa passou a buscar a vitória. Mas ela só chegou na disputa de pênaltis, depois que o resultado se manteve no tempo normal e na prorrogação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.