Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Kelly Slater treina no Havaí e diz estar um pouco 'enferrujado'

Surfista quebrou dois dedos quando surfava em Cloudbreak, em Fiji, e correu risco de ficar fora da disputa pelo título no Pipe Masters

PAULO FAVERO - Enviado especial ao Havaí, O Estado de S. Paulo

10 de dezembro de 2014 | 10h34

Kelly Slater parece recuperado da lesão no pé esquerdo, que o afastou das ondas por algumas semanas. O surfista 11 vezes campeão mundial quebrou dois dedos quando surfava em Cloudbreak, em Fiji, e chamou atenção por correr risco de ficar fora do Billabong Pipe Masters. Mas, na última terça-feira, ele treinou em Haleiwa, no Havaí, e aparenta estar em boas condições.

O norte-americano é um dos atletas que pode tirar o título mundial de Gabriel Medina - o outro é o australiano Mick Fanning. Mas seus dois adversários parecem não estar preocupados em detalhes da lesão de Slater. "Eu não tenho pensado nisso, não sei a gravidade do machucado, fiquei sabendo apenas pela internet, acho que é ele quem tem de falar disso", esquiva-se Medina.

Na época da lesão, foi especulado que Slater estaria fazendo isso para começar uma guerra psicológica nos bastidores. Para Fanning, o rival está recuperado. "Kelly é um atleta incrível, estou certo de que ele está fazendo coisas atrás das câmeras para ficar em forma. Eu encontrei com ele outra noite e ele parece bem fisicamente. Se estiver bom, é muito perigoso aqui em Pipe", afirma.

Slater, por sua vez, garante que perdeu tempo ao se lesionar e espera recuperar totalmente sua força para a importante disputa. "Estou meio enferrujado. Vou testar meus equipamentos, mas o mais importante para mim é estar em cima da prancha, eu não fico preocupado com manobras ou outra coisa, eu quero apenas sentir o tempo da onda e como a minha prancha reage", avisa.

O norte-americano garante que se sentiu bem ao pegar umas ondas em Haleiwa e sabe que sua experiência no Pipe Masters, competição na qual venceu sete vezes, pode ajudar nesse momento. "Posso até fazer algumas manobras, mas vou pegar tubos. Estou tentando entrar no ritmo e recuperar os músculos. Eu me senti bem no treino, acho que é como andar de bicicleta", conclui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.