Divulgação
Divulgação

Kelly Slater vê possível título mundial de Medina com bons olhos

Norte-americano diz que conquista fará bem para o desenvolvimento do esporte no Brasil: 'Profissionalmente, seria uma grande coisa'

PAULO FAVERO - Enviado Especial ao Havaí, O Estado de S. Paulo

18 de dezembro de 2014 | 09h33

O brasileiro Gabriel Medina pode conquistar um feito histórico ao ser campeão mundial de surfe. Nunca antes um brasileiro chegou tão longe na elite mundial. O próprio Kelly Slater lembra que, apesar de o País produzir tão bons surfistas, falta um troféu para colocar o País no seleto grupo dos campeões. "O Brasil nunca ganhou um título mundial no WCT, pelo menos, profissionalmente", afirmou.

O Brasil já venceu competições internacionais de categoria de base e teve Fabio Gouveia e Teco Padaratz como campeões do WQS, como se fosse a segunda divisão do surfe. Para Slater, uma conquista de Medina seria muito importante. "Profissionalmente, isso seria uma grande coisa. O esporte é gigante no Brasil, com muitos praticantes e seguidores. Mesmo antes de vocês terem alguém com chances de título, já havia grandes surfistas, como o Adriano de Souza, que conseguiu bons resultados", disse.

O experiente norte-americano acha que o brasileiro não deve ser julgado por não ter ido melhor em Portugal, quando poderia ter sido campeão antes da última etapa. "É difícil ganhar um titulo mundial de forma antecipada. O Gabriel poderia ter ganhado assim, mas acredito que isso faz bem para a competição e é bom para os torcedores. Para mim também é bom".

Slater está na disputa do título contra Gabriel Medina, mas sabe que suas chances dependem de um tropeço do brasileiro na terceira fase do Pipe Masters, quando vai encarar o havaiano Dusty Payne. Mick Fanning também está no páreo e Slater vibra com a possibilidade de a corrida pela taça ser decidida no Havaí. "Acho ótimo que o campeão seja definido aqui. Se o Gabriel ganhar, bom para ele, que teve um grande ano".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.