Kimi não assiste aos rivais. Prefere ver TV

Enquanto a equipe Lotus reparava o carro, piloto pouco se importava com o treino dos concorrentes na pista em Barcelona

LIVIO ORICCHIO , ENVIADO ESPECIAL / BARCELONA, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2013 | 02h03

Enquanto o mexicano Sérgio Perez, da McLaren, estabelecia o melhor tempo do dia, ontem no Circuito da Catalunha, com os pneus macios da Pirelli, Kimi Raikkonen aguardava sua equipe, a Lotus, reparar o carro. Problemas na transmissão levaram o finlandês a completar apenas 43 voltas na pista de 4.655 metros. Perez fez 97.

O Estado ouviu ontem Raikkonen, que ficou parado bastante tempo, como no dia anterior, quando enfrentou dificuldades no sistema de telemetria, recurso destinado a captar dados sobre o funcionamento do carro. Como quase não treinou ontem, o que teria visto nos adversários, como a McLaren de Perez ou no Red Bull do tricampeão, Sebastian Vettel, segundo mais veloz, que lhe chamou a atenção? No seu melhor estilo, Raikkonen respondeu: "Não vi os testes, estava assistindo à televisão".

Em 2009, o GP da Malásia foi interrompido na 31.ª volta de um total de 56 por causa da chuva forte. Enquanto aguardava a definição do diretor de prova, Charlie Whiting, sobre haver ou não a relargada, a maioria dos pilotos se manteve concentrada, dentro do carro. Kimi, no entanto, percorreu os boxes de seu time, a Ferrari, chupando sorvete.

Esse aparente desinteresse e as reações nada comuns nesse mundo superprofissional da Fórmula 1 se contrapõem a sua eficiência como piloto, mesmo sem acompanhar o trabalho dos concorrentes, sempre útil nesse universo onde se busca milésimos de segundo.

O chefe da Lotus, Eric Boullier, encontrou uma receita saudável para conviver com Raikkonen: "Deixe-o. Você terá o melhor de Kimi". Até os abusos com álcool em festas parecem estar moderados, agora.

Com os problemas técnicos nos treinos em Jerez de la Frontera, semana passada, e nos dois primeiros dias em Barcelona Raikkonen terá agora somente dois dias de testes, na próxima semana, também em Barcelona, até se apresentar para a abertura do Mundial, dia 17 na Austrália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.