Timothy A. Clary/AFP
Timothy A. Clary/AFP

Klitschko bate norte-americano e mantém cinturões dos pesados

Com vitória sobre Bryant Jennings, ucraniano não perde há 11 anos

Estadão Conteúdo

26 de abril de 2015 | 10h41

O ucraniano Wladimir Klitschko segue fazendo história no boxe. Na noite de sábado, no Madison Square Garden, em Nova York, o boxeador derrotou o até então imbatível norte-americano Bryant Jennings e manteve seus quatro cinturões dos pesos pesados, além de ter ampliado sua própria invencibilidade.

Com o triunfo de sábado, Klitschko já não perde há mais de uma década, já que sua última derrota aconteceu ainda em 2004, para Lamon Brewster. O ucraniano agora persegue o recorde que nos pesos pesados pertence a Joe Louis, que ficou 11 anos, oito meses e oito dias invicto.

Foi também a primeira luta de Klitschko nos Estados Unidos desde 2008. E mesmo estando na terra do rival, o ucraniano garantiu que se sentiu em casa. "É ótimo voltar ao Madison Square Garden, me sentir em casa aqui e lutar aqui. Eu fico ansioso para voltar a lutar aqui, com uma ótima plateia e ótima atmosfera", comentou.

Se no sábado Klitschko não conseguiu o esperado nocaute, foi dominante durante todo o combate e venceu por pontos depois de 12 assaltos, em decisão unânime. Foi a 18.ª defesa de cinturão com sucesso para o ucraniano, que coloca cada vez mais seu nome entre os maiores de todos os tempos no esporte.

Já Jennings teve que lidar com sua primeira derrota como profissional na carreira. Ele tinha um cartel invejável de 19 vitórias em 19 combates, sendo dez por nocaute, mas não foi capaz de segurar Klitschko. E o norte-americano não gostou do resultado final da luta.

"Toda vez que eu começava a trabalhar, ele me segurava. Quando ele estava me segurando, eu ficava acertando ele no corpo. Eu devo ter acertado uns 100 socos no corpo dele, mas não muitos na cabeça", declarou. "Eu senti que a margem deveria ter sido muito mais próxima", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
boxeWladimir Klitschkopesos pesados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.