Klitschko unifica títulos dos pesos pesados no boxe

Ucraniano vence por pontos o russo Sultan Ibragimov e fica com os cinturões da FIB e da OMB

Agência Estado

24 Fevereiro 2008 | 21h34

Ainda não foi desta vez que voltou a surgir um campeão carismático entre os pesos pesados, um show man, capaz de mobilizar milhões no mundo todo para acompanhar suas lutas. Na noite de sábado, no Madison Square Garden, em Nova York, o ucraniano Wladimir Klitschko venceu por pontos o russo Sultan Ibragimov, em combate que deixou a maior parte dos 14 mil torcedores decepcionada. E a luta valia muito: Klitschko é o campeão da Federação Internacional de Boxe (FIB) e Ibragimov, da Organização Mundial de Boxe (OMB).Desde que o inglês Lennox Lewis venceu o norte-americano Evander Holyfield em Las Vegas, em 1999, o título dos pesos pesados não era unificado. Agora Klitschko, de 31 anos, detém os cinturões da FIB e da OMB. O próximo desafio será contra o usbeque Ruslan Chagaev, campeão da Associação Mundial de Boxe (AMB), ou o russo Oleg Maskaev, do Conselho Mundial de Boxe (CMB).O que mais chamou a atenção do público foi o estado dos dois pugilistas ao término do 12.º e último assalto: apenas cansados. Ibragimov, até então invicto com 22 vitórias e um empate, afirmou: "Ele não lançou seus jabs, não lutou. Não me senti atingido, embora percebesse que ele estava vencendo a luta." A torcida que foi ao Madison Square Garden, onde já ocorreram combates épicos, estava até entusiasmada diante do retrospecto de Klitschko, com seus 1,99 m e 108 quilos: 53 lutas, 50 vitórias, sendo 44 por nocaute, e 3 derrotas, diante do concorrente 15 centímetros menor e 9 quilos mais leve. No 10.º assalto, os dois se engancharam e foram às cordas quase caindo juntos. Mas não como reação a algum golpe desferido pelo adversário. O que não deu para discutir, apesar da monotonia da luta, foi a vitória do ucraniano. Como na unificação de 1999, os juízes foram unânimes ao defini-lo como vencedor: 119-110, 118-110 e 117-111. O agora campeão da FIB e da OMB comentou a sua falta de expressão no ringue: "Sei que deveria lançar minha direita, mas eu perderia minha defesa, exatamente o que ele desejava", explicou. "Por isso, tentei construir minha vitória mais com a mão esquerda. Soltei a direita poucas vezes, mas ele conseguiu se defender." Klitschko disse que em razão do estilo muito defensivo de Ibragimov "não foi possível vencer da forma espetacular como queria". Falou em dar seqüência ao sonho de unificar seu cinturão com outras associações. "Estou pronto para lutar o mais rápido possível".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.