Kvyat admite que ficou 'em choque' ao saber de troca com Verstappen

Ainda tentando digerir o "rebaixamento" para a Toro Rosso, o piloto russo Daniil Kvyat admitiu nesta quinta-feira que ficou "em choque" ao ser informado sobre sua saída da Red Bull. Ele prometeu mostrar serviço em seu retorno à equipe menor para conseguir fazer sua volta ao time austríaco.

Estadão Conteúdo

12 de maio de 2016 | 15h34

"Obviamente a decisão, de certa forma, me deixou um pouco em choque", reconheceu o russo, sem esconder a insatisfação com a transferência. "Venho dando minhas respostas na pista e acho que nada vai mudar. Agora vou tentar dar minha resposta mais alta possível nas corridas."

Kvyat garantiu que vai manter a motivação em alta para retornar à Red Bull na próxima temporada. "Ainda temos 17 corridas pela frente. Vou forçar até o limite na pista. Já fui para a fábrica da Toro Rosso e vi que todos estão famintos. E estou agora extremamente faminto."

O piloto da Rússia foi informado sobre a transferência da Red Bull para a Toro Rosso na semana passada, na sequência de duas polêmicas seguidas com o alemão Sebastian Vettel, justamente a quem substituiu na Red Bull em 2015.

Kvyat teve um incidente mais leve com o alemão no GP da China e, na corrida seguinte, na Rússia, o então piloto da Red Bull atingiu duas vezes a Ferrari de Vettel, tirando-o da corrida. O alemão reclamou publicamente do desempenho de Kvyat e até deu um recado a Christian Horner, seu ex-chefe na Red Bull.

A performance polêmica deste início de ano contrasta com o bom e discreto desempenho na Red Bull em 2015, em seu primeiro ano na equipe austríaca. Kvyat deixara a Toro Rosso, time satélite da Red Bull, para passar a defender o time maior. "Não acho que minha mudança de equipe tenha sido precoce. Se olharmos para trás, há três semanas eu estava subindo no pódio e, de repente, uma série de decisões mudou tudo."

Sentado quase ao lado de Kvyat na entrevista coletiva desta quinta, em preparação para o GP da Espanha, em Barcelona, Max Verstappen não deixou de comemorar a grande chance. "Para ser honesto, estou muito feliz. Vou correr por uma equipe top agora. Esse sempre foi meu objetivo", comentou.

"Agora preciso me acostumar com o novo carro, o que não será fácil. Mas já trabalhei na fábrica e ganhei confiança. Claro que ainda preciso aprender muitos procedimentos e vou me acostumando com eles corrida após corrida", disse o jovem holandês, de apenas 18 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.