Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Laboratório é novo aliado dos atletas para alcançar vaga em Tóquio

Local já funciona no Parque Aquático Maria Lenk, futura sede administrativa do COB

Marcio Dolzan / RIO, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2017 | 07h00

Futura sede administrativa do Comitê Olímpico do Brasil (COB), o Parque Aquático Maria Lenk já funciona como centro de treinamentos para atletas – e um laboratório milionário inaugurado no mês de fevereiro é uma das apostas para ajudar a equipe que terá a missão de buscar vagas nos Jogos de Tóquio-2020.

+ ‘No COB, não vai passar nada que eu não saiba’, diz Paulo Wanderley

Batizado de Laboratório Olímpico, o espaço ocupa uma área de 1.700m². O projeto foi gestado ainda em 2009, mas, devido a custos, importação de equipamentos e burocracia, só foi colocado plenamente em prática este ano.

O laboratório foi erguido em parcerias do COB com nove instituições de ensino e financiado com recursos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação. O valor total ultrapassou R$ 13 milhões, e anualmente custa cerca de R$ 2 milhões. Ao todo, 33 profissionais atuam no local avaliando atletas olímpicos nas áreas de bioquímica, fisiologia, biomecânica, preparação mental, força e condicionamento, medicina e fisioterapia, análise de desempenho, tecnologia aplicada ao esporte e gestão do conhecimento. 

“Quando a gente passa os resultados para o treinador, ele sabe o que precisa trabalhar mais no atleta. Você pega a canoagem, por exemplo. É um esporte unilateral, sempre tem um desequilíbrio (muscular). Para o treinador, é importante saber de quanto é esse desequilíbrio, se é de 20%, 30% ou 80%”, explicou Jacqueline Godoy, responsável pelo laboratório.

O canoísta Isaquias Queiroz, que conquistou três medalhas nos Jogos do Rio, no ano passado – prata na c1 1000 e na c2 1000 e bronze na c1 200 - é um dos atletas que treina visando a uma vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, que já passaram pelo Laboratório Olímpico, fazendo uma bateria completa de testes. 

Além de direcionar os treinos, os testes no laboratório olímpico ajudam a detectar lesões e até mesmo a direcionar melhor a dieta a ser indicada aos competidores.

“A Rosângela (Santos, do atletismo) fez uma avaliação e sentiu uma lesão antiga. Ela fez então uma avaliação médica, e com isso detectamos o tratamento. Nosso trabalho também é de acompanhamento”, ressalta a responsável pelo laboratório.

A intenção do COB é de que atletas de todas as confederações esportivas sejam avaliados no laboratório até a Olimpíada de Tóquio, mas para tanto será preciso driblar a crise financeira. “A gente adoraria que fosse dessa forma, mas estamos em processo de crescimento, temos uma limitação de recursos humanos e financeiros. Para crescer, precisaremos também de mais profissionais.”

Ela explica que todos os custos são bancados pelo COB e não apenas os de manutenção de espaço. É o comitê quem paga, por exemplo, o transporte e hospedagem de atletas. Por isso, a intenção é passar a oferecer a estrutura para testar atletas não olímpicos e ter uma fonte extra de renda. Atualmente, isso não é possível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.