Laís fica com vaga de Daniele no solo

O começo de um ciclo olímpico sempre implica na queda dos atletas veteranos que começam a dar lugar às jovens promessas. Na terceira etapa da Copa do Mundo de Ginástica, que será realizada em São Paulo a partir de sexta-feira, tudo indica que esse processo acontecerá mais uma vez: Laís de Souza, de 16 anos, ganhará o posto de titular que até então pertencia à Daniele Hypólito, de 20. Será na prova de solo, a que o Brasil mais tem tradição. Na Copa do Mundo, cada país tem direito a duas representantes por prova. Segundo Oleg Ostapenko, técnico da seleção brasileira, as quatro titulares do Brasil na competição serão Daiane dos Santos, Daniele Hypólito, Laís de Souza e Camila Comim. A lista oficial será divulgada nesta quarta-feira, após o congresso técnico.No solo, em que a briga pela vaga é maior, Oleg Ostapenko vai apostar na campeã mundial Daiane dos Santos e em Laís, que foi prata na última etapa da Copa do Mundo, em Cottbus (Alemanha). "Daniele melhorou um pouco, não muito. Ela tem o trabalho de trave normal e paralela mais ou menos. No solo, acho que vão Laís e Daiane", analisou o técnico.O treinador ucraniano admitiu que Daniele continua acima do peso (1 quilo e meio), mas que já melhorou bastante. "Ela está com 47 quilos, se chegar aos 45 e meio já está bom", disse Oleg Ostapenko. O primeiro grande resultado de Daniele na Copa do Mundo foi no solo, há quatro anos, quando conquistou a medalha de prata na etapa de Ghent, na Bélgica. A possibilidade de perder a vaga para a novata Laís não a incomoda. "Continuo treinando para melhorar o resultado, mas se um dia eu for reserva, vou ficar supercontente porque vou ver que a ginástica do Brasil está evoluindo cada vez mais, que é isso que a gente quer."Daniele garante que está na briga nas quatro provas - solo, paralelas, trave e salto sobre cavalo. "Não tem uma prova em que eu seja melhor. Eu sou melhor no individual geral. Se vou fazer quatro, três, dois ou um aparelho não importa", garantiu. Nos Jogos de Atenas, ela conquistou a melhor posição de uma brasileira no individual geral, somando todos os aparelhos, com a 12ª colocação. Laís, por sua vez, mantém a tranqüilidade. "Não existe rivalidade. Mas estou feliz. Nunca fui titular no solo quando a Dani estava na competição. O que mais aprendi com ela foi a garra que ela tem nos treinos", elogiou a nova promessa da ginástica brasileira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.