Lamar Hunt, idealizador do Super Bowl, morre aos 74 anos

Morreu nesta quinta-feira, aos 74 anos, o empresário norte-americano Lamar Hunt, um visionário do esporte nos Estados Unidos. Entre outros feitos, foi ele quem idealizou e batizou o Super Bowl, a grande final da liga de futebol americano que é considerada um dos principais eventos do esporte mundial, capaz de movimentar bilhões de dólares em apenas uma partida, de cerca de quatro horas de duração. Hunt, que foi vítima de um câncer na próstata, também foi pioneiro em investimentos no tênis, no basquete e no futebol do país.Filho de um magnata do petróleo do Texas, Hunt vivia em Dallar e queria ser dono de um time de futebol americano. Em 1960, irritado por não obter junto à NFL o direito de montar uma segunda franquia de um time de futebol americano na cidade, que já contava com o Dallas Cowboys, ele decidiu fundar outra liga, a AFL. Criou o time que queria, o Dallas Texans, e, três anos depois, vendo que a concorrência era forte demais, decidiu mudar sua franquia de cidade - nascia o Kansas City Chiefs.Em 1966, Hunt foi o cabeça para a fusão das duas ligas na nova NFL, que congregaria então os principais times do futebol americano. Seu time chegou à final da primeira temporada unificada, em 1967, mas então foi derrotado pelo Green Bay Packers. Três anos depois, bem no ano em que o Kansas voltou à decisão - até então chamada de World Series, como a final do beisebol -, ele sugeriu um novo nome para a final, baseado em "Superball", nome da bola com que seus filhos brincavam. Foi premiado com o primeiro título, após a vitória sobre o Minnesota Vikings.Hoje, o nome de Hunt está na taça dada a um dos finalistas do Super Bowl, o campeão da Conferência Americana, herdeira da AFL. Além disso, ele participou do investimento que bancou a criação do Chicago Bulls, seis vezes campeão da NBA e revelador de ninguém menos que Michael Jordan, e foi um dos incentivadores da Major League Soccer (MLS), a liga profissional norte-americana de futebol."Ele foi o motor da fusão entre as duas ligas, e será difícil encontrar alguém que tenha feito tanto pelo futebol americano como ele", disse Jerry Jones, vizinho de Hunt e proprietário do Dallas Cowboys. "Ele foi nosso pai e deixa um legado inestimável", afirmou o presidente da NFL, Roger Goddell. "Nunca houve uma pessoa tão influente no esporte dos Estados Unidos. Foi um pioneiro, um patriarca do futebol. Isso valia em 1966 e vale hoje em 2006", declarou o presidente da Federação norte-americana de Futebol, Sunil Gulati.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.