Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Lars Grael critica convênio entre instituto e governo do Rio

Convênio com entidade com seus familiares é de R$ 20 milhões

Estadão Conteúdo

28 Março 2015 | 11h33

A novela que se tornou a despoluição da Baía de Guanabara para os Jogos do Rio/2016 ganhou um capítulo importante neste sábado, quando Lars Grael emitiu comunicado público se posicionando contra um convênio de R$ 20 milhões entre o governo do Rio com o Instituto Rumo Náutico, liderado pela família Grael. Seu irmão, Axel, é ambientalista e ex- secretário-adjunto do estado do Rio de Meio Ambiente.

Na quarta-feira, o governo do Rio anunciou a contratação do instituto, em regime de urgência (sem licitação) para retirar todo o lixo flutuante das águas da Baía antes do evento teste da vela, o último antes dos Jogos do Rio/2016. A notícia repercutiu mal na imprensa, pela modalidade de contratação.

Neste sábado, entretanto, Lars Grael avisou que o conselho diretor da ONG vai se reunir na segunda-feira e que ele é "pessoalmente contra" que o instituto seja gestor do projeto. "Não é nossa vocação substituir o papel do Estado, mais ainda sob o risco institucional de uma dispensa de licitação", escreveu o medalhista olímpico.

De acordo com ele, o Instituto Rumo Náutico "não possui interesse e nem fica motivado por uma contratação emergencial sem a necessidade de licitação. Outras ONG''s, OSCIP''s ou empresas privadas podem fazê-lo com maior agilidade, conhecimento técnico, operacional e estrutura para tal."

Lars Grael argumenta que o projeto da Secretaria de Estado de Ambiente (SEA) do Rio é "um dos mais completos e tecnicamente embasados projetos de contenção e captura de lixo flutuante da Baía de Guanabara", mas lembra que a ação é apenas paliativa.

No comunicado, o medalhista olímpica lembra que a "razão de ser" do Instituto Rumo Náutico é "educar e capacitar para a mentalidade marítima e cidadania através da vela", citando que o Projeto Grael, concebido em 1996 e implantado em 1998, já atendeu 13 mil jovens.

"Sou favorável ao mérito, mas contra o Instituto Rumo Náutico ser o gestor direto do referido projeto. Podemos ajudar agregando conhecimento técnico e capacitando mão de obra. Gerir? Sou pessoalmente contra", encerrou Lars.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.