Lars Grael quer Pan de 2007 no Brasil

O iatista Lars Grael tomou posse nesta terça-feira da Secretaria Nacional de Esporte do Ministério do Esporte e Turismo prometendo desenvolver o programa nacional de esporte na escola e lutar para trazer os Jogos Pan-Americanos e Paraolímpicos de 2007 para o Brasil. Com isso, ele pretende "deixar os alicerces" para que, no futuro, o País possa sediar uma Olimpíada."O Pan-Americano pode ser nosso passaporte para a Olimpíada de 2012", endossou o ministro do Esporte e Turismo, Carlos Melles. Para atingir esse objetivo, ele revelou que também deseja incentivar a realização de inúmeras competições internacionais no Brasil. Entre elas, a Copa do Mundo de Futebol de 2010.A posse de Lars Grael foi bastante prestigiada, a começar pela presença de quatro ministros: Melles (Esportes), Paulo Renato Souza (Educação), Pimenta da Veiga (Comunicações) e José Gregori (Justiça).Ao entrar no lotado auditório do ministério, o novo secretário foi aplaudido de pé por atletas, políticos e funcionários públicos. "Lars tem um grande futuro político pela frente. Não precisa ser nenhuma pitonisa para prever isso", comentou o ministro Paulo Renato, diante da popularidade do atleta.Até lideranças indígenas compareceram à cerimônia de posse de Lars Grael. O vereador xavante Jeremias Pinitaawe disse que vai reivindicar empenho do novo secretário para transformar em competição olímpica a corrida de buritis, em que os índios fazem um revezamento carregando uma tora nas costas, por 100 metros. O xavante Edmundo Azu Aiwi Omore contenta-se com a continuação de incentivos para os jogos indígenas, que reúnem várias etnias do País.A Secretaria Nacional de Esportes surgiu em substituição ao Instituto Nacional de Desenvolvimento do Esporte (Indesp), órgão que autorizava abertura de bingos e foi extinto em outubro do ano passado sob acusações de corrupção. "Este entulho acabou", afirmou Carlos Melles, lembrando que o esporte estava muito misturado aos bingos. E, segundo o ministro, apenas 10% dos cerca de 1.800 bingos abertos no Brasil estavam em situação regular.Carlos Melles deseja que o esporte sirva para socialização e integração das pessoas, para redução da violência e do uso de drogas no País. O projeto do ministério, em parceria com o da Educação, é inserir novamente a prática esportiva no currículo da escola. "Quem sabe amanhã se possa lançar um bolsa-esporte", idealiza ele, numa referência ao bolsa-escola, programa estendido a todos municípios desde segunda-feira, que consiste em dar à família um auxílio financeiro para manter o filho de 6 a 15 anos na escola.Futebol - Durante a cerimônia, Carlos Melles voltou a falar sobre as mudanças na Lei Pelé. Ele disse que a comissão a ser criada para estudar o assunto poderá concluir o trabalho apenas após o início da vigência da Lei, em 26 de março. Os dirigentes querem impedir a entrada em vigor da lei que garante o passe livre ao jogador de futebol.O ministro também explicou que ainda não há decisão se o governo editará uma medida provisória para efetivar as mudanças. "Só depois da construção técnica, vamos decidir a parte normativa." A comissão terá representantes do Clube dos 13, da CBF e das associações de atletas, além dos ex-jogadores Pelé e Zico, que já foram ministros do Esporte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.