Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

Ministério Público Federal no Rio pede Nuzman preso por tempo indeterminado

Procuradoria da República requereu ao juiz federal Marcelo Bretas para que o encarceramento temporário do presidente do Comitê Olímpico do Brasil seja convertido em preventivo

Constança Rezende / RIO, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2017 | 15h32

O Ministério Público Federal do Rio (MPF) pediu a conversão do pedido de prisão temporária do presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Nuzman, para preventiva (sem prazo para terminar), na tarde desta segunda-feira.  O prazo da prisão temporária, que tem validade de cinco dias, vencerá nesta segunda-feira. O juiz da 7ª Vara Federal Criminal, Marcelo Bretas, decidirá até o final desta tarde se aceita não o pedido do MPF.

+ Judoca João Derly defende a saída de Nuzman do COB e democratização na entidade

Junto com o pedido, o MPF também pediu a prorrogação do pedido da prisão temporária do ex-diretor de Marketing e Comunicação da entidade, Leonardo Gryner. Os dois foram presos pela Polícia Federal (PF) na última quinta-feira, 5. Eles estão presos em Benfica, na zona norte do Rio.

+ “Existia um esquema de ganha-ganha nessa organização criminosa”

Nuzman foi detido durante a Operação Unfair Play, um desdobramento da Lava Jato que aponta que houve compra de votos para que o Rio fosse a sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Na denúncia, os procuradores federais apontaram para a ocultação de bens de Nuzman, incluindo 16 barras de 16 barras de ouro depositadas em um cofre na Suíça, motivaram a prisão. Os procuradores também citaram que Nuzman teve crescimento “exponencial” de seu patrimônio entre 2006 a 2016: 457%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.