Leão na bronca: só tem atacante que não faz gol

A falta de faro de gol dos atacantes santistas está levando Leão ao desespero. Enquanto Kléber Pereira pôde jogar, a situação não era tão grave, mas como o artilheiro disparado do time - com 10 gols - no Campeonato Paulista cumprirá suspensão pelo terceiro amarelo amanhã, às 18h10, contra o líder Guaratinguetá, no interior, ele não sabe quem escalar para ter o mínimo de esperança de o time ganhar e seguir vivo no Estadual. "A ausência de Kléber Pereira, se não é desesperadora, pode ser considerada no mínimo desagradável. Ele é o único que faz gol para a nossa equipe. Basta observar que 90% dos nossos gols foram marcados por ele", queixou-se o treinador santista, ontem, no CT Rei Pelé. "Vocês sabem qual é o segundo artilheiro do Santos?", perguntou o técnico. Quando um repórter respondeu que era Betão, com dois gols, provocando risos, Leão emendou: "Vocês riem. E eu, no banco, o que posso fazer?"A primeira tentativa para pelo menos contornar a crise do ataque não deu certo. No coletivo de ontem, Leão escalou Sebastián Pinto adiantado e três jogadores leves e velozes - Wesley, Renatinho e Vítor Júnior (este treinou no lugar de Molina, que estava com febre e tosse) - do meio-de-campo para frente para criar oportunidades para o centroavante. Houve movimentação, dribles e troca de passes, mas... Nada de gol. "Não sei ainda se é esse o ataque que vai jogar. Mas com um centroavante mais lento e de presença de área há sempre a expectativa de que ele finalize com sucesso", disse Leão. "Os pequenos e velocistas se encarregam da movimentação e da criação das jogadas." E como Molina apenas foi poupado, mas vai jogar, a única mudança no time será a entrada de Renatinho ou Vítor Júnior no lugar de Kléber Pereira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.