Lei de Incentivo ao Esporte deixa os dirigentes animados

Eufóricos pela aprovação da Lei de Incentivo ao Esporte na Câmara dos Deputados, presidentes de várias entidades já se mobilizam para a captação dos recursos que podem representar a redenção de suas modalidades no Brasil. Além da duplicação de receitas e estímulo à formação de atletas, eles pensam até em planos ousados como a construção de piscinas em comunidades carentes.Apesar de ter sido aprovada na última terça-feira na Câmara dos Deputados, a Lei de Incentivo ao Esporte ainda precisa passar por votação no Senado e pela sanção do presidente Lula. A idéia é que ela entre em vigor no ano que vem, dando benefícios fiscais para quem investir no esporte brasileiro.?Quem tem um bom produto, como o basquete, vai ter condições de captar recursos. Recebemos hoje R$ 2 milhões da Lei Piva, R$ 8 milhões do patrocínio da Eletrobrás e o ideal seria dobrar esse valor para atender a todos os nossos projetos?, disse o presidente da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), Gerasime Nicolas Bozikis, o Grego. Outra intenção da CBB é ampliar o ?Basquete do Futuro?, já aplicado em comunidades carentes em sete Estados.A Vela, responsável pela conquista do maior número de medalhas olímpicas para o Brasil, atualmente está sem patrocínio e vê na Lei de Incentivo ao Esporte a sua salvação. O presidente da Federação Brasileira de Vela e Motor (FBVM), Walcles Osório, destacou que, por ser um esporte de pouca visibilidade, a captação de parceiros tornou-se ainda mais difícil. Mas ele disse ter agora como ofertar um atrativo extra aos interessados, principalmente, para reerguer aos clubes náuticos.O presidente da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM), Alaor Azevedo, prevendo a aprovação da nova lei, saiu na frente e, desde junho, elaborou um plano de marketing para ?vender? a modalidade em 2007. Na Confederação Brasileira de Desportos na Neve (CBDN), o presidente Stefano Arnhold também previu um novo futuro para o esporte - aparentemente desconhecido no País. ?Por exemplo, o ski alpino é algo para um público mais sofisticado. O snowboard denota jovialidade. Mercado temos, porque a audiência ao vivo das transmissões da Olimpíada de Inverno, em Turim, neste ano, superou todas as expectativas?, afirmou o dirigente.Já o presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Coaracy Nunes, vai se encontrar com o governador eleito do Rio, Sérgio Cabral, para propor a construção de piscinas, com recursos privados, em comunidades carentes. A Rocinha, em São Conrado, zona sul da cidade, seria a primeira a contemplada, com duaspiscinas para atender a 1.500 jovens. ?A Cultura arrecadou R$ 600 milhões neste ano. Imagina quanto o Esporte não vai arrecadar??, comparou o dirigente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.