Lesão faz Daniel passar vergonha

Contundido, brasileiro entra em quadra para encarar Nadal e desiste após levar 6/0 e 5/0 no Grand Slam australiano

, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2011 | 00h00

Perder para Rafael Nadal é hipótese que qualquer tenista, até Roger Federer, considera quando entra em quadra para enfrentá-lo. Resultado normal. O difícil de suportar é a vergonha de ser massacrado pelo espanhol. Marcos Daniel vai sentir este peso sobre suas costas por um bom tempo, até digerir o papel que fez em quadra diante do número 1 do mundo na estreia no Australian Open. Tomou 6/0 no primeiro set e desistiu do jogo quando levava 5 a 0 na segunda parcial, alegando dores no joelho esquerdo: 46 minutos de sofrimento físico e psicológico.

Daniel, 33 anos, contou após o jogo que já sofria com o joelho há dias. "Ontem (anteontem) nem treinei. Não pensava que fosse me doer tanto, mas me senti muito mal lá dentro", contou o brasileiro, 93.º do ranking mundial, depois de garantir 20 mil dólares australianos (R$ 33,5 mil) só por ter entrado em quadra. "Quando a partida começou, passei a sentir mais dores. Não adianta, contra esta gente, se tu não estás 100%, é impossível."

Nadal - que abandonou o torneio nas quartas de final no ano passado, por causa de uma lesão semelhante - se compadeceu do brasileiro, a quem classificou como "uma grande figura". "É uma sensação horrível. Sair de um jogo desta forma é algo difícil mentalmente", explicou o espanhol, que enfrenta o americano Ryan Sweeting na próxima rodada. "Gosto muito do Daniel, espero que se recupere logo. Ele fez bem em abandonar se não se sentia bem."

A dor física talvez passe antes que a psicológica. Daniel perdeu a oportunidade de fazer bom papel diante do número 1, como fizera na estreia de Roland Garros em 2008, quando provou seu valor (foi derrotado, em jogo mais equilibrado, por 7/5, 6/4 e 6/3). "No final das contas, estava mais preocupado com o joelho do que com o adversário. Parecia que eu tinha 75 anos na quadra", lamentou o gaúcho de Passo Fundo, que treina com Larri Passos.

Batalha brasileira. Ao contrário de Daniel, que não pôde com Nadal, Ricardo Mello vendeu muito caro a derrota para o compatriota Thomaz Bellucci no "clássico nacional" da primeira rodada do Australian Open. O campineiro, 76.º do ranking mundial, teve quebras de serviço na frente nos dois primeiros sets, mas permitiu a virada do amigo, que venceu as duas parciais por 7/5.

Nos sets seguintes, Mello superou Bellucci por 6/4 e 6/3. Mas pesou no final a maior qualidade do 30.º melhor tenista do mundo, que fechou a partida com um 6/3 após quase 4 horas de disputa. "Me superei, principalmente na parte mental. Fui buscar as minhas bolas e venci", disse Bellucci, que enfrenta o checo Jan Hernych, apenas o 241.º do ranking mundial, na próxima fase.

Altíssimo nível. O melhor jogo da primeira rodada do Grand Slam australiano foi protagonizado por dois velhos rivais. David Nalbandian, vice-campeão de Wimbledon em 2002, deu o troco da derrota mais dolorosa de sua carreira sobre Lleyton Hewitt, o detentor do troféu do tradicional torneio londrino daquele ano. Foi uma batalha de alto nível técnico durante quase 5 horas: 3/6, 6/4, 3/6, 7/6 (7/1) e 9/7.

MASSACRE

25 bolas vencedoras executou Rafael Nadal. Daniel não conseguiu nenhum winner

185 km/h

foi a média de velocidade dos saques de Nadal. Marcos Daniel sacou, em média, a 168 km/h

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.