Letra de Romarinho dá vitória ao Corinthians

Atacante marca aos 45 da etapa final, garante a virada sobre o Coritiba e põe fim a jejum de oito jogos do setor ofensivo

FÁBIO HECICO, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2012 | 03h04

Foram 35 dias de seca do ataque corintiano. Ou oito jogos. A marca negativa caminhava para a nona partida quando Romarinho recebeu de Paulinho aos 45 do segundo tempo e, de letra, virou o jogo sobre o Coritiba, no Paraná, 2 a 1, para dar ao time a quinta vitória no Brasileiro e acabar com a desconfiança após três empates. Agora, a conta foi invertida: são oito jogos sem derrota do Timão. E, enfim, um triunfo.

Méritos para Tite. O treinador passou vários dias sendo cobrado justamente pela falta de gols de seus atacantes. Chegou a ser questionado sobre o motivo de não tirar Romarinho do time titular, após várias chances desperdiçadas por ele, para dar chance para o goleador Paolo Guerrero.

Usou a justiça. Não queimou o garoto de 21 anos. Apostou na estrela do camisa 31 e, pela segunda vez seguida, brinda uma atuação decisiva de seu atacante mais jovem. Depois de fazer a jogada individual que resultou no empate diante do Atlético-GO (1 a 1 no meio de semana), agora Romarinho garantiu diretamente o resultado ao mostrar inteligência e concluir com um toque de classe o passe de Paulinho.

O Corinthians ganhou em cima da hora. E até passou por alguns sustos. Mas não merecia somar mais um empate, que seria o quarto seguido, pelo maior domínio de jogo e vontade de vencer.

Ciente de que a zona de rebaixamento (ficou lá por sete rodadas) voltava a ameaçar, o time foi para Curitiba sabendo que necessitava passar por cima das adversidades, torcida contra e rival também no desespero, e trazer os três pontos na bagagem.

O Corinthians tomou a iniciativa desde o início, alugou o campo ofensivo desde o apito inicial, porém sem força nas finalizações. Dominava as ações, tocava de pé em pé, mas não dava trabalho para o goleiro Vanderlei.

Foi assim até quase o intervalo. Quase pelo fato de, no último lance o Coritiba, até então sem ameaçar, fazer bela tabela e, com Everton Ribeiro, abrir o placar.

Tite, que costuma arrumar o time no vestiário, assim o fez. Voltou com o peruano Guerrero e um time mais ousado. Vanderlei, então, começou a trabalhar. O ataque mostrou sua cara.

De tanto insistir, o Timão empatou com Paulinho, aos 20. O Coritiba, ciente de que também precisava vencer, avançou a marcação e pressionou. Acertou uma bola na trave, além de outra boa chance desperdiçada. No apagar das luzes, mérito para quem buscou a vitória com maior determinação e Romarinho fez o corintiano sorrir novamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.