Levantadores com estilos que se unem

Ricardinho e Bruninho transformaram a disputa por uma vaga na equipe em um exercício de companheirismo

PAULO FAVERO , ENVIADO ESPECIAL / LONDRES, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2012 | 03h04

VÔLEI MASCULINO

Ricardinho e Bruninho, os dois levantadores da seleção brasileira masculina de vôlei, podem fazer a diferença em Londres. Com estilos diferentes, eles estão se dando bem independentemente da disputa por uma vaga no time e garantem que a equipe evoluiu muito nas últimas semanas.

"A convivência com o Ricardinho tem sido um grande aprendizado. Ele passou um tempo fora da seleção, mas voltou e tem me ajudado", conta Bruninho, que será o titular no início dos Jogos Olímpicos.

Na quarta-feira, ele atuou na vitória sobre a Bulgária por 3 a 1. Ricardinho também jogou, mas sabe que terá de entrar no decorrer das partidas. Na visão de Bruninho, eles possuem estilos diferentes, mas complementares. Bruninho é mais tático e costuma jogar muito com os centrais. Ricardinho é especialista nas bolas de velocidade pelas pontas - o grande choque em seu retorno à seleção, já que os atacantes não são de muita velocidade.

"Comecei com grande dificuldade, fui titular na Liga Mundial, mas depois perdi a posição. Acho que as críticas me ajudaram a melhorar. Acho que nas três últimas semanas dei uma boa melhorada", diz Ricardinho.

Garantido. Apesar do susto na última semana, Giba confirmou que vai disputar a Olimpíada. Chegou-se a especular que ele estaria contundido, mas o jogador explicou que teve apenas uma pequena lesão muscular na parte posterior da coxa direita e que está garantido. "Estou pronto e vou jogar. A vontade supera qualquer coisa e vamos conquistar essa medalha de ouro", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.