Lewis e Tyson em busca do prestígio

Lennox Lewis e Mike Tyson lutam, à meia-noite deste sábado, no Pyramid Arena, em Memphis, nos Estados Unidos, para resgatar o prestígio da categoria mais badalada do boxe. Sem nenhuma grande revelação há mais de uma década, os pesos pesados vivem ainda do passado de Lewis, de 36 anos, Tyson, 35, e Evander Holyfield, 39, que venceu seu último combate, sábado, diante de Hasim Rahman, dez anos mais jovem. No Brasil, a Bandeirantes transmite a luta ao vivo.O confronto entre Lewis e Tyson é aguardado há seis anos. Na oportunidade, Tyson, então campeão, preferiu enfrentar Holyfield. Para impor sua vontade, pagou US$ 4 milhões para Lewis. Estarão em jogo os cinturões do Conselho Mundial (CMB) e Federação Internacional de Boxe (FIB), que pertencem a Lewis. O outro título importante, que é da Associação Mundial de Boxe (AMB), pertence ao porto-riquenho John Ruiz, que luta dia 27 de julho contra o canadense Kirk Johnson. A pesagem, realizada quinta-feira, comprovou que os lutadores não estão em suas melhores condições físicas. O campeão Lewis acusou 112,9 quilos, o quarto maior de sua carreira de 39 vitórias (30 nocautes), duas derrotas e um empate. Tyson está com o segundo maior peso de sua carreira: 106,1 quilos. Só superados pelos 109 quilos somados no combate diante do dinamarquês Brian Nielsen, em outubro passado. Para que esta luta pudesse ser organizada foi feito um acordo inédito entre os canais norte-americanos Showtime e HBO. Afinal, Lewis tem contrato com a HBO, enquanto Tyson é lutador da Showtime. O combate será transmitido via pay-per-view para os Estados Unidos a US$ 54,95, o maior preço da história. Lewis entrará primeiro no ringue, seguido por Tyson. Na hora da apresentação, as posições se invertem. Primeiro Jimmy Lennon Jr., que é da Showtime, vai apresentar Tyson. Lewis será anunciado pelo apresentador Michael Buffer, que é da HBO. Os dois lutadores não se vêem desde 22 de janeiro, quando Tyson aprontou a maior confusão durante a conferência de imprensa de apresentação do combate. Por causa disso, o duelo deixou de ser disputado em Las Vegas, no dia 6 de abril. Após várias negociações, Memphis ganhou o direito de organizar o evento, que poderá gerar mais de US$ 150 milhões. Cada lutador tem garantidos US$ 17 milhões, além de uma porcentagem nas vendas de transmissão. A previsão é de que a bolsa poderá atingir US$ 30 milhões. O sistema pay-per-view planeja vender 2 milhões de pontos. Mais de 200 países compraram os direitos de transmitir a luta. Só nos EUA, 50 milhões de residências vão assistir ao combate. Segundo os especialistas, se Lewis vencer, poderá encerrar a carreira. Uma vitória de Tyson será melhor para o futuro do boxe. Sua primeira defesa de título seria diante do americano Chris Byrd, primeiro no ranking da FIB. Depois viriam Holyfield, o vencedor entre Ruiz x Johnson e a revanche contra Lewis, prevista no contrato assinado pelos lutadores, provavelmente em 2003. Na semana da luta, os lutadores preferiram não fazer previsões, ao contrário de seus técnicos. "Penso que Lewis nocauteará Tyson em dois roundes", afirmou Emmanuel Stewart, técnico de Lewis. "Quero que Mike quebre as costelas e o queixo deste covarde", afirmou Stancey McKinley, técnico de Tyson. Prevendo uma luta violenta, Violet Blake, mãe de Lewis, está preocupada. "Já deixei meu filho nas mãos de Deus."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.