Libertadores pode voltar a ter decisão brasileira

Classificação de São Paulo, Santos, Flamengo, Fluminense e Cruzeiro possibilita final com equipes do País, embora Conmebol tente evitar

O Estadao de S.Paulo

25 de abril de 2008 | 00h00

O maior temor da Conmebol é ver times do mesmo país na decisão da Taça Libertadores. Para evitar tais duelos, já definiu que as semifinais serão dirigidas. Mas o favorável desempenho de Fluminense, Flamengo, Cruzeiro, São Paulo e Santos na competição pode acabar com as pretensões da entidade. Caso os times brasileiros sigam soberanos, a decisão terá, pela terceira vez na história, uma final verde-amarela.O São Paulo, tricampeão da Libertadores, decidiu a competição contra o Atlético-PR em 2005 e, um ano depois, diante do Internacional, de Porto Alegre. Ganhou na primeira vez e saiu derrotado na segunda.Os argentinos também levaram cinco times às oitavas, mas não conseguiriam chegar com dois à final. Isso porque San Lorenzo e River Plate se encaram já na próxima fase.E, além da possibilidade de decisão brasileira, há, ainda, chance de ser com clássico estadual: Flamengo x Fluminense ou São Paulo x Santos. Os times estão em lados opostos na tabela e, se forem em frente, só não se encarariam na decisão caso o Cruzeiro - enfrenta o Boca Juniors - fique pelo caminho.Os mineiros garantem não temer os atuais campeões. Ainda mais pelo fato de decidir a vaga em casa, dia 7. Mas já levaram o primeiro revés. Tentaram mudar a data do duelo de ida, temendo confrontos entre torcidas do Boca, San Lorenzo e River Plate (jogam quarta-feira) e não conseguiu.Quem pode fazer história na competição é o goleiro Rogério Ceni. Reserva de Zetti em 1993 e capitão em 2005, ele pode ser o primeiro brasileiro a conquistar o título continental três vezes pelo mesmo time. Mas o caminho são-paulino é complicado. Joga contra o bom Nacional, do Uruguai, depois pode cruzar contra o Fluminense. Cruzeiro e Boca estariam no caminho numa possível semifinal.Dois times voltam a se enfrentar após duelos na primeira fase. Desta vez, com ordem invertida. No feriado do Trabalho, o Santos recebe o Cúcuta. A decisão será na Colômbia. Na primeira fase, foi uma vitória na Vila Belmiro e um empate fora. E os santistas festejaram só jogar em 1º de maio. Isso porque ganham um dia a mais para tentar recuperar o colombiano Molina, destaque do time no ano, com lesão na coxa.O Flamengo não deve ter problemas com o América, do México, um dos piores da fase de classificação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.