Divulgação
Divulgação

Líder da Fórmula E, Piquet renova contrato antes das provas finais

Brasileiro é a sensação da mais nova categoria do automobilismo

Estadão Conteúdo

16 de junho de 2015 | 11h33

Às vésperas das duas últimas provas da primeira temporada da Fórmula E, o brasileiro Nelsinho Piquet assegurou que vai participar das próximas edições do campeonato, que é disputado com carros 100% elétricos, com o anúncio da renovação do seu contrato com a equipe China Racing.

"Tivemos grandes resultados na atual temporada e nossa parceria se desenvolveu muito bem, com constante evolução. Queremos melhorar mais ainda na categoria, para sermos sempre candidatos aos títulos. Adoro competir na Fórmula E e o conceito da categoria. O grid é forte, a evolução da tecnologia dos carros é permanente e estamos oferecendo pegas muito interessantes para o público, competindo dentro das cidades. Com o futuro na competição resolvido, nosso foco agora está 100% nas duas corridas finais em Londres e no título", declarou o piloto brasileiro.

Filho do lendário Nelson Piquet, Nelsinho ingressou na Fórmula 1 em 2007, inicialmente como piloto de testes da Renault, no ano seguinte ao seu vice-campeonato na GP2. Ele correu pela equipe em 2008 e 2009, subiu ao pódio uma vez, no GP da Alemanha de 2008, mas acabou ficando marcado por forçar um acidente para ajudar Fernando Alonso a vencer o GP de Cingapura de 2008.

Fora da Fórmula 1, competiu nos últimos anos na Nascar e em algumas provas de Stock Car. Em 2014, ingressou na Fórmula E e vem tendo sucesso. Após a realização de nove das 11 corridas desta temporada da Fórmula E, Nelsinho Piquet acumula duas vitórias, conquistadas nas etapas de Moscou e Long Beach, e cinco pódios.

Assim, lidera a classificação da temporada 2014/2015, com 128 pontos e 17 de vantagem para o segundo colocado, o também brasileiro Lucas di Grassi. A última etapa do campeonato será disputada em rodada dupla, nos dias 28 e 29 de junho, em Londres.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula ENelsinho PiquetChina Racing

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.