Liverpool pinta Londres de vermelho

Nos pênaltis, depois de empate no tempo normal e na prorrogação, time da terra dos Beatles faz a festa no novo Wembley

LONDRES, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2012 | 03h04

O Liverpool encerrou ontem um jejum de seis anos sem títulos, mas para isso precisou comer o pão que o diabo amassou na decisão da Copa da Liga Inglesa. Pisando pela primeira vez no novo Wembley, inaugurado em 2007, o time vermelho foi incapaz de derrotar o pequeno Cardiff, da Segunda Divisão, no tempo normal e na prorrogação. Foi só na decisão por pênaltis que o Liverpool bateu o heroico adversário.

Quando o lateral-direito Glen Johnson acertou o travessão com um belo chute de fora da área, logo no comecinho da partida, ficou reforçada a sensação de que a final seria uma barbada para o Liverpool, como se a sua condição de time grande pudesse ser imposta sem esforço. Um grande engano, como ficou provado no desenrolar da peleja.

Cardiff empolgado. O time do País de Gales não é capaz de praticar um futebol vistoso - se fosse, evidentemente, não estaria na Segunda Divisão -, mas coragem não lhe falta. Assim que os minutos iniciais foram embora, o Cardiff acostumou-se à ideia de que estava jogando em Wembley contra um dos clubes mais tradicionais do mundo e começou a jogar.

Com uma jogada bem tramada, que terminou em gol de Mason, o Cardiff saiu na frente aos 19 minutos do primeiro tempo. E isso mudou tudo. Obrigado a correr em dobro, o Liverpool ficou nervoso e só foi conseguir o empate no segundo tempo, aos 15 minutos, graças a um gol marcado pelo zagueiro Skrtel.

Prorrogação eletrizante. Embora tenha atacado mais nos minutos finais, o Liverpool não foi capaz de evitar a prorrogação. A equipe vermelha continuou jogando no ataque, mas o Cardiff se defendia com muita bravura. A barreira galesa só caiu no segundo tempo, quando Kuyt (que entrou em campo na prorrogação) marcou com um chute bem colocado.

Quem pensou que o Cardiff iria jogar a toalha (e foram muitos os que pensaram isso) se enganou. O time galês sufocou o Liverpool e, logo depois de Kuyt evitar um gol em cima da linha final, Turner empatou, a dois minutos do fim da partida.

A decisão por pênaltis começou mal para o Liverpool, já que o capitão Steven Gerrard foi o primeiro a bater e viu o goleiro Heaton evitar o gol.

Mas em seguida Miller perdeu também e ficou tudo igual. Na última série de cobranças, Glen Johnson marcou o gol e Anthony Gerrard, primo do capitão do Liverpool, chutou para fora o pênalti decisivo. E a festa vermelha tomou conta de Wembley.

"O Cardiff nunca desistiu e merece todo o crédito. Foi uma longa caminhada para nós até esse título, mas o importante é que nosso nome está no troféu", disse Kenny Dalglish, técnico do Liverpool.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.