Londres admite dificuldade para obter legado olímpico

A intenção da Grã-Bretanha de aumentar a participação esportiva como um legado dos Jogos de Londres, que serão realizados no próximo ano, está se configurando como um fracasso, disse o presidente do comitê olímpico nacional nesta quarta-feira. Quando Londres foi escolhida em 2005 para sediar a Olimpíada, os responsáveis pela candidatura prometeram aumentar o número de praticantes de esporte na Grã-Bretanha em 1 milhão.

AE-AP, Agência Estado

21 de setembro de 2011 | 13h02

No entanto, dados recentes mostram que 21 de 30 esportes tiveram uma diminuição no número de praticantes desde 2007, o que foi lamentado por Colin Moyniah, presidente da Associação Olímpica Britânica (BOA, na sigla em inglês). "A razão da BOA olhar para a disputa para sediar estes Jogos originalmente era em parte porque levaria a uma mudança de patamar no esporte em todo o país, não apenas no leste de Londres, mas em todo o país", disse Moynihan à BBC. "Temos um longo caminho para entregar essa mudança".

Os comentários de Moynihan são parecidas com as críticas feitas por Richard Caborn, que era o ministro dos Esportes em 2005. "A Olimpíada será um sucesso espetacular, mas não estamos capitalizando isso", disse. "Nós estamos correndo o perigo de fracassar completamente no legado esportivo de longo prazo dos Jogos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.